domingo, 11 de agosto de 2013

A Fonte Eloísta: Hipotese Documentária e as origens do Pentateuco

Introdução

A fonte Eloísta (ou simplesmente E) é uma das quatro fontes da Torá identificada pelos estudiosos bíblicos. Seu nome vem de Elohim, o termo que ele usa para Deus. Caracteriza-se, por entre outras coisas, uma visão abstrata de Deus, utilizando o termo "Horeb" em vez de "Sinai" para a montanha onde Moisés recebeu as leis de Israel, e do uso da expressão "temor de Deus". Ele habitualmente localiza histórias ancestrais no norte, especialmente em Efraim, a hipótese documentária sustenta que essa fonte deve ter sido composta na região, possivelmente na segunda metade do século 9 a.C.. Reconstruções recentes deixam de fora o Eloísta completamente, propondo uma seqüência de origem Deuteronomista-Javista-Sacerdotal, escrita a partir do reinado de Josias, em tempos do pós-exílio.

Pano de Fundo

Os estudiosos modernos concordam que fontes distintas e vários autores fundamentam o Pentateuco, mas ainda há muita discordância sobre a forma como estas fontes foram usadas para escrever os primeiros cinco livros da Bíblia. A explicação chamada Hipótese Documentária dominou a maior parte do século 20, mas o consenso do século 20 em torno desta hipótese foi agora posto em questão. Aqueles que ainda defendem a Hipotese Documentária tendem agora a o fazer de uma forma fortemente modificada, dando um papel muito maior para os redatores (editores), que agora são vistos como tendo adicionado muito material de sua própria autoria, e não como simples combinadores passivos de documentos. Entre aqueles que rejeitam a abordagem documentário completamente, as revisões mais significativas foram a combinar E com J como uma fonte única, e verem a fonte Sacerdotal como uma série de revisões editoriais para esse texto.

As alternativas para a abordagem documentária podem ser divididas entre teorias "fragmentárias" e teorias "suplementares". As Hipóteses fragmentárias, vistas principalmente na obra de Rolf Rendtorff e Erhard Blum, veem o Pentateuco como crescendo com o acúmulo gradual de material em blocos cada vez maiores antes de serem unidos, primeiro por um escritor deuteronomista ("Deuteronomista" significa relacionado com o Livro de Deuteronômio, que foi composta no final do século 7 a.C.), e depois por um escritor sacerdotal (século 6/5 a.C.), que também acrescentou o seu próprio material.

A abordagem "suplementar" é exemplificada no trabalho de John Van Seters, que coloca a composição de J (que ele, ao contrário dos "fragmentários" vê como um documento completo), no século 6 a.C., como uma introdução à história deuteronomista (a história de Israel, que retoma a série de livros de Josué a Reis). Os escritores sacerdotais mais tarde acrescentaram os seus suplementos à esse documento, e essas expansões continuaram até o final do 4 º século a.C.

Características da Fonte Eloísta

Nesta fonte o nome de Deus é sempre apresentado como "Elohim" ou "El", até a revelação do nome de Deus a Moisés, após o qual se refere a Deus como "YHWH". E trata Deus como uma figura capaz de pesar, e mostra-lhe a aparecer em pessoa em vários momentos.

A fonte E tem um fascínio especial pelas tradições sobre o reino do norte de Israel e seus heróis como Josué e José. E favorece Israel sobre Judá (por exemplo, alegando que Siquém foi comprado ao invés de massacrada), e fala negativamente de Aarão (por exemplo, a história do bezerro de ouro).


Contrastando o Eloísta com o Javista

Abraão e Isaac

A história do Elohista começa, aparentemente, depois de Abraão começou a sua peregrinação, com a história da Esposa/Irmã, que também está presente no relato Javista. Depois disso, a primeira grande história sobre Abrão é a do sacrifício de Isaac. No trabalho Eloista, Isaac nunca aparece novamente após a conclusão, e a história implica fortemente que Isaac foi verdadeiramente sacrificado. O Javista, por outro lado, não menciona esse relato do sacrifício de Isaac, embora ele não menciona Isaac extensivamente. Quando o suposto redator veio a editar em conjunto os seus escritos, a presença contínua de Isaac precisaria, portanto, ser explicada. O texto atribuído ao redator apresenta uma cláusula de escape: o Senhor permitindo Abrão sacrificar um carneiro em lugar de seu filho, e permitindo Isaac viver. Mas, no entanto, uma antiga tradição registrada em um Midrash ainda preserva uma versão do conto em que Isaac foi morto. É compreensível, dada a narrativa do Eloísta até agora, que o próximo conto eloísta oferece a chance de Abraão ter outros filhos . 

O Papel dos Anjos

Enquanto o javista apresentou um Deus antropomórfico que poderia atravessar o Jardim do Éden à procura de Adão e Eva, o eloísta freqüentemente envolve anjos. Por exemplo, é a versão eloísta do conto da escada de Jacob, em que há uma escada de anjos com Deus no topo, levando a Jacob mais tarde a dedicar o lugar como Beth-El (Casa de Deus), enquanto que no conto javista é um simples sonho em que Deus está simplesmente acima do local, sem a escada ou anjos. Da mesma forma, o Elohista descreve Jacob realmente lutando com Deus, mais tarde, ele apresenta o conto de Balaão e sua jumenta falando divinamente, embora este seja muitas vezes considerado um conto que foi acidentalmente adicionado ao manuscrito, como parece bastante alheio ao resto do escrito.

A Favor das Tribos do Norte?

Mais adiante no texto, a Eloista exibe uma atitude visivelmente positiva para as principais tribos do Norte, ou as de José. Ao contrário do Javista, o Eloista contém histórias da posição política das tribos José: o nascimento de Benjamin, e da pré-eminência de Efraim. Além disso, enquanto o Javista retrata José como vítima de uma tentativa de estupro no conto da mulher de Potifar, que teria sido ligeiramente humilhante para as tribos de José, o Eloista por sua vez retrata José como um intérprete de sonhos, como alguém que pode entender Deus. Este interesse com as preocupações do Norte se estende até o Elohista a explicar o objeto cultual do norte conhecido como o Nehushtan (a Serpente de Bronze)

A Saída do Egito

No que diz respeito a deixar o Egito, o Eloísta apresenta uma narrativa mais elaborada do que a narrativa do Javista. Em primeiro lugar, a versão eloísta expande a suposta crueldade dos egípcios, apresentando-as como exigindo um trabalho difícil, como tijolos sem palha. E em segundo lugar, enquanto a versão Javista das pragas do Egito envolve Moisés apenas agindo como um intercessor a pedir a Deus para parar a cada praga que Deus operou, o Eloista por sua vez apresenta Moisés como uma ameaça a Faraó, e em seguida, ele próprio trazendo a peste sobre os egípcios. Para o Eloísta a ameaça da páscoa é suficiente para fazer os egípcios parar de perseguir os israelitas, enquanto o Javista apresenta os egípcios como relutantemente cedendo, e depois mudar de ideias, perseguir os israelitas para trazê-los de volta.

O Dez Mandamentos e o Código da Aliança

Notavelmente onde o Javista simplesmente apresenta a sua versão dos Dez Mandamentos como a lei dada por Deus no Sinai, O Eloísta por sua vez apresenta o Código da Aliança de maneira mais extensa. O eloísta, em seguida, passa a lidar com a forma de como um código extenso pode ser usado na prática, por meio de um parente de Moisés, Jetro, como porta-voz para explicar a razão para a nomeação de juízes. Para fazer cumprir o código ainda mais, o Eloista descreve o processo do código de lei que está sendo lido para o povo.

A Data da Composição

A fonte E é teorizada como tendo sido composta por ser coletada junto às várias histórias e tradições sobre o Israel bíblico e suas tribos associadas (Dan, Naftali, Gade, Aser, Issacar, Zebulom, Efraim, Manassés e Benjamim), e os levitas, tecendo-as em num único texto. Em particular, registra a importância de Efraim, que era a tribo da qual o Rei de Israel passou a derivar.

Alguns textos e fontes independentes são pensados em terem sido incorporados no texto que inclue o código de Aliança, um texto jurídico, usado nos capítulos 21 a 23 do Livro do Êxodo. 

Como é altamente crítica a visão do ponto da reivindicação samaritana da preeminência em Israel, tem-se argumentado que o eloísta reflete os pontos de vista de refugiados do norte que vieram para Judá, após a queda do Reino do Norte em 722 a.C. 

Referências Bibliográficas:


A Brief Introduction to the Old Testament, Michael D Coogan (2009). Oxford University Press
The Pentateuch: a story of beginnings, Paula Gooder (2000). T&T Clark
"The Pentateuch", John Van Seters, (1998) Bloomsbury T&T Clark


Um comentário:

  1. Tudo parece levar a crer que o javista retratava uma origem Cro-magnon e o eloísta, o neandertal.

    ResponderExcluir