sexta-feira, 25 de outubro de 2013

A Datação da Bíblia: data e período de composição dos escritos bíblicos

Os mais antigos manuscritos bíblicos hebraicos datam de cerca do segundo século a.C. de forma fragmentária. O registro mais antigo do texto completo do Antigo Testamento sobrevive em uma tradução grega chamada Septuaginta, que data do século 4 d.C. (O chamado Codex Sinaiticus). Os manuscritos existentes mais antigos do texto massorético vocalizado, no qual as edições modernas são baseadas, datam do século 9 d.C. Com a exceção de algumas seções bíblicas dos Profetas, praticamente nenhum texto bíblico é contemporâneo aos eventos que descreve e narra, e também foi objeto de revisão por autores posteriores.

A partir do testemunho interno dos textos, os livros individuais dos 27 livros do cânon do Novo Testamento são provavelmente datados do primeiro século d.C. O primeiro livro escrito foi, provavelmente, 1 Tessalonicenses, por volta de 50 d.C. O último livro do cânon é o Livro do Apocalipse, dito ter sido escrito por João de Patmos, durante o reinado de Domiciano (81-96).

Desde os escritos originais das escrituras, grandes volumes de cópias foram feitas dos originais, que são já não existem, e cópias foram feitas dessas cópias, resultando em vários tipos de texto. Os arqueólogos recuperaram cerca de 5.500 manuscritos do Novo Testamento, sendo fragmentos ou livros completos. O mais antigo fragmento existente do Novo Testamento, é o Rylands Library Papyrus P⁵², um pedaço do Evangelho de João, datado da primeira metade do século 2. A datação da composição dos textos baseia-se principalmente em evidências internas, incluindo referências diretas a acontecimentos históricos, como recorrer à crítica textual, as evidências filológicas e linguísticas, e é muito subjetiva.

Este artigo então é dedicado a mostrar a data de composição dos livros bíblicos com base nestas análises. Para isso adotarei a tradicional divisão do Antigo Testamento se baseando na divisão tripartida da Bíblia Hebraica (Torah, Nevi’im e Ketuvim), colocando os livros Deuterocanônicos à parte.

A Bíblia Hebraica

Torah

Os cinco primeiros livros da Bíblia no Judaísmo são chamados de Torah , que significa "Direito" ou " Instrução", e são considerados como a parte mais importante das Escrituras, tradicionalmente pensados como tendo sido escritos entre o século 16 e o século 12 a.C. por Moisés. Os seguidores da Escola de Copenhague colocam as origens da Torah no século 5 a.C. na província de Yehud Medinata . Yehud Medinata (aramaico para "a província de Judá"), era uma província autônoma do Império persa aquemênida, mais ou menos equivalente ao reino mais antigo de Judá, mas cobrindo uma área menor, dentro da Satrápa de Eber-Nari. O Deuteronômio é tratado separadamente do Gênesis, Êxodo, Levítico e Números . O processo de sua formação, provavelmente, levou centenas de anos, a partir do século 8 a 6 a.C. Começou como não mais do que um conjunto de leis religiosas, que hoje compõem a maior parte do livro , mais tarde foi estendido, a fim de ser usado como introdução à história abrangente de Israel escrito no início do século 6 , e mais tarde ainda foi separado da história , estendido mais uma vez, e usado para concluir a história contada em Gênesis , Êxodo , Levítico e Números.

A visão religiosa tradicional sobre a origem da Torá é que ela foi composta por Moisés entre os anos de 1446 a.C. e 1406 a.C. Embora essa visão ainda seja aceita por cristãos e judeus conservadores, os estudiosos modernos argumentam que toda a Torá foi composta em meados do primeiro milênio antes de Cristo, para ser uma "prequela" para os livros proféticos (Josué, Juízes, Samuel e Reis).

Atualmente existem três grandes abordagens para a questão da data e do modo de composição da Torá (ou Pentateuco). A Hipótese Documentária (que será abordada nesse artigo) sustenta que a Torá foi composta por entrelaçamento de quatro narrativas originais, que originalmente eram separadas e completas em si, cada uma lidando com o mesmo material. Isso explicaria muitas das características intrigantes dos cinco livros, nomeadamente o aparecimento de vários nomes para Deus e incidentes duplicados, tais como as narrativas de duas criações da humanidade. Basicamente a Hipótese Documentária era então quatro documentos independentes (conhecidos como o Javista, o Eloísta, a fonte Sacerdotal e o Deuteronomista), e que foram compostos entre 900 a.C. e 550 a.C., e sendo redigidos (ou agrupados) em 450 a.C., possivelmente por Esdras.

A hipótese documentária monopolizou as abordagens acadêmicas para a data e a composição da Torá até o último quarto do século 20, quando os estudiosos avançaram em suas pesquisas, e propuseram teorias alternativas que podem ser agrupadas em dois modelos amplos:

O primeiro é o "Modelo Fragmentário", que sustenta que a Torá cresceu gradualmente a partir de uma série de fragmentos de várias extensões. Os modelos fragmentários (como por exemplo, os de Rolf Rendtorff e Erhard Blum), afirmam que a Torá é o produto do lento crescimento das tradições fragmentárias (sem documentos), ao longo do período que vai de 850 a.C. até 550 a.C., e se consolida na sua forma final aproximadamente em 450 a.C.

A visão alternativa é o "Modelo Suplementar", que afirma que a Torá é, em grande parte, o trabalho de um editor, ou grupo de editores, que trabalharam (ou completaram), em um tipo de material já existente. Os modelos suplementares (como por exemplo, o modelo do estudioso John Van Seters), a Torá foi composta por uma série de expansões autorais em torno de um documento ou fonte original, normalmente identificado como J ou P, em grande parte durante o sétimo e sexto séculos antes de Cristo, cuja forma final foi atingida aproximadamente em 450 a.C.

Há ainda o chamado Minimalismo Bíblico, que sustenta que a Torá foi composta no período Hasmoneu-Helenístico, entre 300 a.C. e 140 a.C.

Nevi’im

Nevi'im(Profetas) é a segunda principal divisão da Bíblia Hebraica (Tanakh), entre a Torá (Instrução) e Ketuvim (Escritos). Ele contém dois sub-grupos: os Profetas Antigos (os livros narrativos de Josué, Juízes, Samuel e Reis) e os Últimos Profetas Tardios (os livros de Isaías, Jeremias e Ezequiel e os Doze Profetas Menores).

Ao contrário do que os nomes sugerem muitos dos escritos dos Últimos Profetas são considerados por estudiosos como sendo mais velhos do que as narrativas dos Profetas Antigos que os precedem no cânon, e foram profundamente influentes sobre a direção e o desenvolvimento da religião hebraica. Os Últimos Profetas também tiveram uma grande influência na literatura e no ativismo político e social em culturas do judaísmo, e para onde este foi levado.

Os Livros do Nevi'im                         Datação Acadêmica
Livro de Josué
Escrito cerca de 625 a.C. pelo Deuteronomista (chamado D), trabalhando com materiais tradicionais
Livro de Juízes
Escrito cerca de 625 a.C. pelo Deuteronomista (chamado D), trabalhando com materiais tradicionais
Livros de Samuel
Escrito cerca de 625 a.C. pelo Deuteronomista (chamado D), trabalhando com materiais tradicionais
Livros dos Reis
Escrito cerca de 625 a.C. pelo Deuteronomista (chamado D), trabalhando com materiais tradicionais
Livro de Isaías
Três autores principais e um extenso processo de edição:

Isaías 1-39 (Proto Isaías) "Isaías histórico" com múltiplas camadas de edição, século 8 a.C.
Isaías 40-55 “Isaías Exílico” (Deutero-Isaías), do século 6 a.C.
Isaías 56-66 “Isaías Pós-Exílico” (Trito-Isaías), sexto ou quinto século a.C.
Livro de Jeremias
Escrito no final do século 6 a.C. ou mais tarde
Livro de Ezequiel
Escrito no século 6 a.C. ou mais tarde
Livro de Oséias
Escrito no século 8 a.C. ou mais tarde
Livro de Joel
Desconhecido
Livro de Amós
Escrito no século 8 a.C. ou mais tarde
Livro de Obadias
Escrito no século 6 a.C. ou mais tarde
Livro de Jonas
Escrito no século 6 a.C. ou mais tarde
Livro de Miquéias
Escrito em meados do século 6 a.C. ou mais tarde
Livro de Naum
Escrito no século 8 a.C. ou mais tarde
Livro de Habucuque
Escrito no século 6 a.C. ou mais tarde
Livro de Sofonias
Escrito no século 7 a.C. ou mais tarde
Livro de Ageu
Escrito no século 5 a.C. ou mais tarde
Livro de Zacarias
Escrito no século 5 a.C. ou mais tarde
Livro de Malaquias
Escrito no início do século 5 a.C. ou mais tarde


Ketuvim

Os Ketuvim é a terceira e última seção do Tanakh (Bíblia Hebraica), depois da Torah (instrução) e dos Nevi'im (profetas). Em traduções da Bíblia hebraica esta seção é normalmente intitulado "Escritos" ou "Hagiographa". Os Ketuvim é creditado a terem sido escritos sob Ruach HaKodesh (Espírito Santo), mas com um nível de autoridade menor do que da profecia. 

Encontrada entre os escritos dentro das escrituras hebraicas, I e II Crônicas formam um livro, junto com Esdras e Neemias que formam uma única unidade intitulada "Esdras-Neemias". Em citações por números de capítulo e versículo, no entanto, os equivalentes em hebraico de "Neemias", "Crônicas" e "Crônicas II" são usados​​, com o sistema de divisão de capítulos tendo sido importado do uso cristão. Coletivamente, onze livros estão incluídos nos Ketuvim. 

Os Ketuvim por sua vês apresentam uma divisão interna: Três livros poéticos: Salmos, Provérbios e trabalho. Os Cinco Megillot: Cântico dos Cânticos, Rute, Lamentações, Eclesiastes e Ester, e os outros livros: Daniel, o livro de Esdras-Neemias e Crônicas.


Livros do Ketuvim                              Datação Acadêmica
Livros dos Salmos
A maior parte dos Salmos parece ter sido escrito para uso no templo, que existiu em torno de 950-586 a.C. e, após a reconstrução, a partir do século 5 a.C. até 70 dC.
Livro dos Provérbios
O livro de Provérbios possui algum material antigo dos antigos sábios, algum material mais tardio a partir do século 6 a.C. ou mais tarde, e algum material emprestado do texto egípcio antigo conhecido como As Instruções de Amenemope.
Livro de Jó
Escrito no século 5 a.C.
Cântico dos cânticos ou Cântico de Salomão
As estimativas acadêmicas variam entre de 950 a.C. a 200 a.C.
Livro de Rute
Escrito no século 6 a.C. ou mais tarde
Lamentações de Jeremias
Escrito no século 6 a.C. ou mais tarde
Livro de Eclesiastes ou Coélet
Escrito no século 4 a.C. ou mais tarde
Livro de Ester
Escrito no século 4 a.C. ou mais tarde
Livro de Daniel
Escrito cerca do ano de 165 a.C.
Livro de Esdras-Neemias
Escrito no século 4 a.C. ou um pouco mais tarde
Livros de Crônicas
Escrito no século 4 a.C. ou um pouco mais tarde


Livros deuterocanônicos

Os livros deuterocanônicos são livros considerados pela Igreja Católica Romana e Ortodoxa Oriental como partes canônicas do Antigo Testamento cristão, mas não estão presentes no Tanakh (Bíblia Hebraica) e na Bíblia protestante.

Livros Deuterocanônicos               Datação acadêmica
Livro de Tobias
Escrito no século 2 a.C.
Livro de Judite
Desconhecido
Livro de 1 Macabeus
Escrito cerca de 100 a.C.
Livro de 2 Macabeus
Escrito cerca de 124 a.C.
Livro de 3 Macabeus
Escrito no primeiro século a.C. ou século 1 d.C. 
Livro de 4 Macabeus
Escrito no primeiro século a.C. ou século 1 d.C. 
Livro da Sabedoria
Escrito durante o período do Judaísmo Helenístico
Livro do Eclesiástico ou Sirácida ou Sabedoria de Jesus Ben Sirac
Escrito no século 2 a.C.
Carta de Jeremias
Desconhecido
Adições à Daniel
Escrito no século 2 a.C.
Livro de Baruque
Escrito durante ou logo após o período dos Macabeus


O Novo Testamento


A tabela a seguir apresenta as datas mais amplamente aceitas para a composição dos livros do Novo Testamento, juntamente com o fragmento mais antigo preservado de cada texto.

 Livro do Novo Testamento               Datação acadêmica                              Fragmento mais antigo                                                                                                                                          
 Evangelho de Mateus
Escrito cerca de 60-85 d.C.
P¹⁰⁴ (datado de cerca de 150-200 d.C.) 
 Evangelho de Marcos
Escrito cerca de 60-70 d.C.
P⁸⁸ (datado de 350 d.C.)
 Evangelho de Lucas
Escrito cerca de 60-90 d.C.
P⁴,  P⁷⁵ (datados de 175-250 d.C.)
 Evangelho de João
Escrito cerca de 80-95 d.C.
P⁵² (datado de 125-160 d.C.)
 Atos
Escrito cerca de 60-90 d.C.
P²⁹, P⁴⁵, P⁴⁸, P⁵³, P⁹¹ (datados de 250 d.C.)
 Romanos
Escrito cerca de 57-58 d.C.
P⁴⁶ (datado do final do segundo ou terceiro século d.C.
 Coríntios
Escrito cerca de 57 d.C.
P⁴⁶ (datado do final do segundo ou terceiro século d.C.
Gálatas
Escrito cerca de 45-55 d.C.
P⁴⁶ (datado do final do segundo ou terceiro século d.C.
Efésios
Escrito cerca de 65 d.C.
P⁴⁶ (datado do final do segundo ou terceiro século d.C.
Filipenses
Escrito cerca de 57-62 d.C.
P⁴⁶ (datado do final do segundo ou terceiro século d.C.
Colossenses
Escrito cerca de 60 d.C. ou mais
P⁴⁶ (datado do final do segundo ou terceiro século d.C.
1 Tessalonicenses
Escrito cerca de 50 d.C.
P⁴⁶ (datado do final do segundo ou terceiro século d.C.
2 Tessalonicenses
Escrito cerca de 50-54 d.C.
P⁹² (datado do ano 300 d.C.)
Timóteo
Escrito cerca de 60-100 d.C.
Códex Sinaiticus (350 d.C.)
Tito
Escrito cerca de 60-100 d.C.
P³² (datado do ano 200 d.C.)
Filemon
Escrito cerca de 56 d.C.
P⁸⁷ (datado do terceiro século d.C.)
Hebreus
Escrito cerca de 63-90 d.C.
P⁴⁶  (datado do final do segundo ou terceiro século d.C.)
Tiago
Escrito cerca de 50-200 d.C.
P²⁰. P²³ (datado do início do terceiro século d.C.)
1 Pedro
Escrito cerca de 60-96 d.C.
P⁷² (datado do terceiro ou quarto século d.C.)
2 Pedro
Escrito cerca de 60-130 d.C.
P⁷² (datado do terceiro ou quarto século d.C.)
Epístolas de João
Escrito cerca de 90-110 d.C.
P⁹, Uncial 0232, Códex Sinaíticus (datado do terceiro ou quarto século d.C.)
Judas
Escrito cerca de 66-90 d.C.
P⁷² (datado do terceiro ou quarto século d.C.)
Apocalipse 
Escrito cerca de 68-100 d.C.
P⁹⁸ (datado de 150-200 d.C.)

Referencias Bibliográficas:

The Canon of the New Testament: Its Origins, Development, and Significance, Bruce M. Metzger
 The Text of the New Testament Its Transmission, Corruption, and Restoration, Bruce M. Metzger, Bart D. Ehrman
Introdução ao Novo Testamento, Werner G. Kümmel, Ed. Paulus.

Um comentário:

  1. Muito bom! Excelente informações. Permita-me indicar um bom conteúdo sobre a datação dos séculos: http://geografianewtonalmeida.blogspot.com.br/2013/03/datacao-contagem-dos-seculos-exercicios.html

    ResponderExcluir