quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Cânone Bíblico

O que é um cânone bíblico?

Um cânone bíblico, ou cânon das Escrituras, é uma lista de livros considerados para serem escritura autorizada por uma comunidade religiosa em particular. A palavra "cânon" vem do grego "κανών", que significa "regra" ou "vara de medir". O termo foi cunhado pela primeira vez em referência a escritura pelos cristãos, mas a ideia é dita ser judia. 

A base textual do cânon também pode ser especificada. Por exemplo, o texto hebraico/aramaico como vocalizado e pontiagudo na época medieval pelos massoretas, que é o texto massorético, é o texto canônico para o Judaísmo. Um exemplo moderno desse fechamento de uma base textual num processo análogo ao fechamento do próprio cânone é o movimento King James apenas, o que leva ou o texto em Inglês real de várias redações do real King James da Bíblia em si, ou alternativamente , a base textual do texto massorético do King James Version-Bomberg para o Antigo Testamento e do Textus Receptus em várias edições, as de Erasmus, Beza, e Stephanus, ao lado da poliglota Complutense, para o Novo Testamento, como a especificada, correta e inspirada tradição textual. Da mesma forma certos grupos de especificam a sua versão particular ou tradução da Bíblia auto-publicada como a mais confiável. Entre estes estão as Testemunhas de Jeová, que produziram a Tradução do Novo Mundo. 

A maioria dos cânones listados abaixo são considerados "fechados" (isto é, livros não podem ser adicionados ou removidos), refletindo uma crença de que a revelação pública terminou e, assim, os textos inspirados podem ser reunidos em um cânon completo e oficial, que o estudioso Bruce Metzger define como "uma coleção oficial de livros." Em contraste, um "cânon aberto", que permite a adição de livros através do processo de revelação contínua, Metzger define como "um conjunto de livros autoritativos" (Uma tabela das escrituras bíblicas para ambos os Testamentos, no que diz respeito à aceitação canônica em vários grandes tradições da cristandade, aparece abaixo.)

Estes cânones foram desenvolvidos através de debate e acordo entre as autoridades religiosas de suas respectivas religiões. Os crentes consideraram os livros canônicos como sendo inspirados por Deus ou expressando a história autoritária da relação entre Deus e seu povo. Livros, como os evangelhos judaico-cristãos, foram excluídos do cânon completo, mas muitos livros disputados considerados não-canônicos, ou mesmo apócrifos por alguns, são considerados apócrifos bíblicos, deuterocanonicos ou totalmente canônicos por outros. Existem diferenças entre o Tanakh judeu e os cânones bíblicos cristãos, e entre os cânones de diferentes denominações cristãs. Os diferentes critérios e processos de canonização ditam o que as várias comunidades consideram como escritura inspirada. Em alguns casos, onde há vários estratos da inspiração bíblica, torna-se prudente mesmo para discutir textos que só tem um status elevado dentro de uma determinada tradição. Isso se torna ainda mais complexo quando se considera os cânones abertos dos várias seitas neo-cristãs, que podem ser vistos como extensões do cristianismo e judaísmo e, portanto, as revelações bíblicas supostamente dadas a vários líderes ao longo dos anos dentro daquele movimento.

Os Cânones Judaicos

Judaísmo Rabínico 

O Judaísmo rabínico reconhece os vinte e quatro livros do Texto Massorético, comumente chamado de Tanakh ou Bíblia Hebraica. Evidências sugerem que o processo de canonização ocorreu entre 200 a.C. e 200 d.C., e uma posição popular é que a Torá foi canonizada em 400 a.C., os Profetas em 200 a.C. e os Escritos em 100 d.C., talvez em um hipotético Concílio de Jâmnia, mas no entanto esta posição é cada vez mais criticada pelos estudiosos modernos.

O livro de Deuteronômio inclui uma proibição contra a adição ou subtração (Cap. 4:02, 12:32), que podem ser aplicadas ao próprio livro (ou seja, um "livro fechado", uma proibição contra uma futura edição de um escriba) ou para a instrução recebida por Moisés no Monte Sinai. O livro de 2 Macabeus, que em si não é uma parte do cânon judaico, descreve Neemias (c. 400 a.C.) como tendo "fundado uma biblioteca e recolhido os livros sobre os reis e profetas, e os escritos de David, e cartas dos reis sobre oferendas votivas "(2:13-15). O Livro de Neemias sugere que o sacerdote-escriba Esdras trouxe a Torá de volta da Babilônia para Jerusalém e do Segundo Templo (8-9) em torno do mesmo período de tempo. Tanto os livros de Macabeus I e II sugerem que Judas Macabeu (c. 167 a.C.), também coletou livros sagrados (3:42-50, 2:13-15, 15:6-9), e de fato alguns estudiosos argumentam que o cânon judaico foi fixado pela dinastia dos Hasmoneus. No entanto, estas fontes primárias não sugerem que o cânon foi fechado naquela época, além disso não é claro que esses livros sagrados eram idênticos aos que mais tarde tornaram-se parte do cânon. 

A Grande Assembléia, também conhecida como a Grande Sinagoga, foi segundo a tradição judaica, um conjunto de 120 escribas, sábios e profetas, que no período compreendido entre o final dos profetas bíblicos à época do desenvolvimento do judaísmo rabínico, marcaram uma transição de uma era de profetas a uma era de rabinos. Eles viveram em um período de cerca de dois séculos, terminando em 70 d.C. Entre os desenvolvimentos do judaísmo que são atribuídos a eles são a fixação do cânone bíblico judaico, incluindo os livros de Ezequiel, Daniel, Ester, e os Doze Profetas Menores, a introdução da classificação tripla da Torá oral, dividindo seu estudo nos três ramos do Midrash, Halakot e Aggadot, a introdução da festa de Purim e da instituição da oração conhecida como Shemoneh 'Esreh, bem como as orações sinagogais, rituais e bênçãos. 
Além do Tanakh, o judaísmo rabínico tradicional considera o Talmude para ser outro texto autoritário central. Ele toma a forma de um registro das discussões rabínicas que pertencem à lei judaica, ética, filosofia, costumes e história. O Talmude tem dois componentes: o Mishnah (c. 200 d.C.), que foi o primeiro compêndio escrito da Lei Oral do judaísmo, e o Guemará (c. 500 d.C.), que é uma elucidação da Mishná e dos escritos Tanaíticos relacionados que muitas vezes empreendem para outros assuntos e expõem amplamente no Tanakh. É significativo que existem inúmeras citações do Sirácida (ou livro do Eclesiástico) dentro do Talmude, embora o livro não tenha sido finalmente aceito no cânon hebraico. O Talmude é a base para todos os códigos de lei rabínica e é frequentemente citado em outras literaturas rabínicas. Alguns grupos de judeus, como os caraítas, não aceitam a lei oral, como é codificada no Talmude e consideram apenas o Tanakh como sendo autoridade.

Beta Israel 

Os Judeus etíopes, também conhecidos como Beta Israel, possuem um cânon próprio das Escrituras, que é distinto do Judaísmo rabínico. O Mäṣḥafä Kedus (Escrituras Sagradas) é o nome dado para a literatura religiosa desses judeus, que é escrito principalmente em ge'ez. Seu livro mais sagrado, a Orit, consiste no Pentateuco, assim como Josué, Juízes e Rute. O resto do cânon judeu etíope é considerado de importância secundária. Trata-se do restante do cânon hebraico, com a possível exceção do Livro das Lamentações e livros various livros deuterocanonicos. Estes incluem os livros do Eclesiástico, Judite, Tobias, 1 e 2 Esdras, 1 e 4 Baruch, os três livros de Meqabyan, Jubileus, Enoch, O Testamento de Abraão, O Testamento de Isaac e o testamento de Jacob. Os últimos três testamentos patriarcais são distintos à esta tradição bíblica.

Um terceiro nível de escritos religiosos que são importantes para os judeus etíopes, mas não são considerados parte do cânone, incluem o seguinte: Muse Nagara (A conversa de Moisés), Mota Aaron (morte de Aarão), Mota Muse (Morte de Moises), Te'ezaza Sanbat (Preceitos do Sábado), Arde'et (Estudantes), o Apocalipse de Gorgorios, Mäṣḥafä Sa'atat (O Livro de Horas), Abba Elija (Pai Elias), Mäṣḥafä Mäla'akt (Livro dos Anjos ), Mäṣḥafä Kahan (Livro dos Sacerdotes), Darsanä Abraham Wäsara Bägabs (Homilia sobre Abraão e Sara no Egito), Gadla Sosna (Atos dos Susanna) e Baqadāmi Gabra Egzi'abḥēr (No Princípio criou Deus). Além destes, Zena Ayhud (a versão Etíope de Josippon) e os dizeres de vários fālasfā (filósofos) são fontes que não são necessariamente considerados sagradas ou canônicas, mas mesmo assim têm uma grande influência.


O canon samaritano 

Outra versão da Torá, de alfabeto samaritano, também existe. Este texto é associado com os samaritanos, um povo de quem a Enciclopédia Judaica afirma: "sua história como uma comunidade distinta começa com a tomada de Samaria pelos assírios em 722 aC" 

A relação do Pentateuco Samaritano com o Texto Massorético ainda é contestada. Algumas diferenças são menores, como as idades de diferentes pessoas mencionadas na genealogia, enquanto outros são grandes, como um mandamento para ser monogâmico, que só aparece na versão Samaritana. Mais importante ainda, o texto Samaritano também diverge do Massorético em afirmar que Moisés recebeu os Dez Mandamentos no Monte Gerizim-e não no Monte Sinai - e que é sobre esta montanha (Garizim) que os sacrificios a Deus devem ser feitos, não em Jerusalém. Estudiosos, no entanto, consultam a versão Samaritana quando se tenta determinar o significado do texto do Pentateuco original, bem como para traçar o desenvolvimento dos texto-famílias. Alguns rolos entre os Manuscritos do Mar Morto foram identificados como sendo um tipo de texto Proto-Pentateuco Samaritano. Foram feitas também comparações entre a Torá Samaritana e a versão Septuaginta.

Os Samaritanos consideram a Torá como sendo escritura inspirada, mas não aceitam quaisquer outras partes da Bíblia, provavelmente uma posição também realizada pelos Saduceus. Eles não expandiram seu cânone, adicionando quaisquer composições Samaritanas. Existe um livro de Josué Samaritano, no entanto esta é uma crônica popular, escrita em árabe e não é considerada como escritura. Outros textos religiosos não-canônicos Samaritanos incluiem o Memar Markah (Ensino de Markah) eo Defter (Livro das Orações), ambos a partir do século 4 ou posteriormente.

O povo dos remanescentes dos samaritanos no moderno Israel e Palestina mantêm a sua versão da Torá tão plenamente e com autoridade canonica.Eles se consideram os verdadeiros "guardiões da lei". Esta afirmação só é reforçado pela reivindicação da comunidade samaritana em Nablus (uma área tradicionalmente associada com a antiga cidade de Siquém) para possuir a mais antiga cópia existente da Torá que eles acreditam ter sido escrita por Abisha, um neto de Aaron.

Cânones bíblicos cristãos

Igreja Primitiva

Primeiras comunidades cristãs


Embora a Igreja Primitiva tenha usado o Antigo Testamento, de acordo com o cânon da Septuaginta (LXX), talvez como os encontrados na Lista de Bryennios ou cânone de Melito, os Apóstolos não deixaram um conjunto definido de novas escrituras. Em vez disso o Novo Testamento se desenvolveu ao longo tempo.

Escritos atribuídos aos apóstolos circularam entre as primeiras comunidades cristãs. As epístolas de Paulo estavam circulando em formas coletadas até o final do século 1 dC. Justino Mártir, no início do segundo século, menciona as "memórias dos Apóstolos", que os cristãos chamavam de "evangelhos", e que eram considerados como autoridade igual à do Antigo Testamento.

O Cânon de Marcião

Marcião de Sinope foi o primeiro líder cristão na história (embora mais tarde ele foi considerado herético) a propor e delinear um cânone exclusivamente cristão (c. 140 d.C). Isto incluia 10 epístolas de São Paulo, bem como uma versão do Evangelho de Lucas, que hoje é conhecida como o Evangelho de Marcião. Ao fazer isso, ele criou uma forma particular de olhar para os textos religiosos que persiste no pensamento cristão até hoje. Depois de Marcião, os cristãos começaram a dividir os textos para aqueles que bem estavam alinhados com o "cânone" do pensamento teológico aceito e aqueles que promoviam uma heresia. Este desempenhou um papel importante na finalização da estrutura do conjunto de obras chamado de Bíblia. Foi proposto que o impulso inicial para o projeto proto-cristão ortodoxo de canonização fluiu de oposição à canonização de Marcião.

Padres Apostólicos
Um canon de quatro evangelhos (o chamado Tetramorfo) foi afirmado por Irineu na seguinte citação: "Não é possível que os evangelhos possam ser mais ou menos em número do que eles são, uma vez que há quatro cantos da terra em que vivemos, e quatro ventos universais, enquanto a igreja está espalhada por todo o mundo, e a "coluna e firmeza" da Igreja é o Evangelho e o Espírito de vida, é justo que ela deve ter quatro pilares expirando imortalidade para todos os lados, e vivificando homens de novo ... Por isso os evangelhos estão de acordo com essas coisas ... Para os seres vivos são quadriformes eo evangelho é quadriforme ... essas coisas sendo assim, todos os que destroem a forma do evangelho são vãos, iletrados e também audaciosos: aqueles [quero dizer] que representam os aspectos do evangelho como sendo tanto mais numerosos do que na forma indicada, ou por outro lado, menos "

No início do século 3, os teólogos cristãos, como Orígenes de Alexandria, podem ter usado ou pelo menos estavam familiarizados com os mesmos 27 livros encontrados em edições modernas do Novo Testamento, embora ainda houvessem disputas sobre a canonicidade de alguns dos escritos. Da mesma forma em 200 d.C. o fragmento de Muratori mostra que existia um conjunto de escritos cristãos um pouco semelhante ao que é hoje o Novo Testamento, que incluía quatro evangelhos e argumentava contra objeções a eles. Assim, enquanto não havia uma boa medida de debate na Igreja Primitiva sobre o cânon do Novo Testamento, os principais escritos foram aceitas por quase todos os cristãos por meio do século III d.C.

Igreja Oriental
 
Padres de Alexandria

Orígenes de Alexandria era uma figura no início da codificação do cânon bíblico. Ele era um erudito bem educado em ambas as areas da teologia e filosofia pagã , mas foi postumamente condenado no Concílio de Constantinopla, em 553. Orígenes decidiu fazer seu cânone incluindo todos os livros do atual cânone católico , exceto para quatro livros : Tiago, 2 Pedro, e as 2 º e 3 cartas de João. Ele também incluiu o Pastor de Hermas , que foi posteriormente rejeitado. O religioso erudito Bruce Metzger descreveu os esforços de Orígenes , dizendo: "O processo de canonização representado por Orígenes prosseguiu por meio de seleção, passando de muitos candidatos para inclusão de menos . " Esta foi uma das primeiras grandes tentativas de compilação de certos livros e cartas como o ensino autoritário e inspiração para a igreja primitiva na época, embora não esteja claro se Orígenes destinado a sua lista para ser autoritário em si mesma.

Em sua carta de Páscoa de 367, Atanásio , bispo de Alexandria, deu uma lista exata dos 27 livros que se tornaram o proto-canon do Novo Testamento, e ele usou a frase "ser canonizado " ( kanonizomena ) em relação ao eles. Atanásio também incluíu o Livro de Baruch , bem como a Carta de Jeremias em seu cânon do Antigo Testamento. No entanto , neste mesmo cânone, ele omitiu o livro de Ester .

Os Cânones do Leste

As igrejas orientais tiveram, em geral, um sentimento mais fraco do que as Igrejas do Ocidente para a necessidade de fazer uma delineação nítida em relação ao cânone bíblico. Noentanto foram mais conscientes da gradação da qualidade espiritual entre os livros que aceitaram, e estiveram menos frequentemente dispostas a afirmar que os livros que rejeitaram possuía nenhuma qualidade espiritual no todo. Por exemplo , o Sínodo Trullan de 691-692 , que foi rejeitada pelo Papa Constantino, aprovou as seguintes listas de escritos canônicos : Cânones Apostólicos ( c. 385) , o Sínodo de Laodicéia (c. 363) , o terceiro Sínodo de Cartago (c. 397) , e a Carta Pascal 39 de Atanásio ( 367). E, no entanto , essas listas não concordavam entre si. Da mesma forma, os cânones do Novo Testamento das igrejas nacionais da Síria , Arménia, Geórgia , Egito ( A Igreja Copta ) e Etiópia têm pequenas diferenças. O Apocalipse de João é um dos livros mais incertos, não foi traduzido para o georgiano até o século 10 , e nunca foi incluído no lecionário oficial da Igreja grega , seja bizantino ou moderno.

A Igreja Ocidental

Os Padres latinos

O primeiro concílio que aceitou o atual cânone católico (o Canon de Trento) pode ter sido o Sínodo de Hipona no norte da África (393 d.C.), os atos deste concílio , no entanto, estão perdidos. Um breve resumo dos atos foi lido em e aceito pelos Concílios de Cartago em 397 e 419 . Esses concilios estavam sob a autoridade de Santo Agostinho, que considerava o cânone como já foi fechado. O Concílio de Roma do Papa Dâmaso I, em 382 , se o Decretum Gelasianum estiver corretamente associado a ele, emitiu um cânone bíblico idêntico ao mencionado acima ou, se não , a lista é , no mínimo, uma compilação do século 6 . Da mesma forma, a comissão de Dâmaso " da edição Vulgata Latina da Bíblia , c. 383 , foi fundamental para a fixação do cânone no Ocidente. Em 405 , o Papa Inocêncio I enviou uma lista dos livros sagrados de um bispo gaulês , Exsuperius de Toulouse. Quando esses bispos e concilios falavam sobre o assunto , no entanto , eles não estavam definindo algo novo, mas sim " estavam ratificando o que já havia se tornado o pensamento da Igreja . Assim, a partir do século 4 , existia a unanimidade no Ocidente sobre o cânon do Novo Testamento (tal como é hoje ), e por volta do século 5 o Oriente, com algumas exceções , tinha chegado a aceitar o Livro da Revelação (Apocalipse) e, portanto, estava em harmonia com o assunto do cânon do Novo Testamento.

O Cânon de Lutero

Martinho Lutero (1483-1546) fez uma tentativa de remover os livros de Hebreus , Tiago, Judas e Apocalipse do cânon (ecoando o consenso de vários católicos e dos também rotulado cristãos humanistas, tais como o Cardeal Ximenez , o Cardeal Caetano, e Erasmo de Rotterdam, e em parte porque eles foram percebidos ir contra certas doutrinas protestantes, como a Sola Scriptura e Sola Fide) , mas isso não foi geralmente aceito entre os seus seguidores. No entanto, esses livros são ordenados por último na Bíblia de Lutero em alemão até hoje. Além disso , Lutero mudou os livros que mais tarde se tornariam os Deuterocanonicos em uma seção que ele chamou de Apócrifos 

O Canon Protestante 

Protestantes aceitam os textos Massoréticos como a Bíblia hebraica inspirada , ao invés do anterior tradução da Septuaginta para o grego ( a partir do hebraico pré-Massorético), embora muitos reconhecem ampla utilização deste último pelos judeus de língua grega no primeiro século. Eles observam que os primeiros cristãos evidenciaram um conhecimento de um cânon das Escrituras, com base em evidência interna, bem como pela existência de uma lista de livros do Antigo Testamento por Melito de Sardes, compiladas cerca de 170 AD .

Muitos protestantes modernos apontam para os seguintes quatro "Critérios para Canonicidade" para justificar a escolha dos livros que foram incluídos no Novo Testamento, embora essas idéias não seja isolados para a teologia protestante, mas estendem-se ou são derivadas de outras tradições cristãs :

1 . Origem Apostólica - atribuído a e baseia-se na pregação/ensino dos apóstolos de primeira geração (ou os seus companheiros íntimos) .
2 . Aceitação Universal - reconhecimento por todas as principais comunidades cristãs no mundo antigo (até o final do século 4) , bem como o cânone aceito pelas autoridades judaicas (para o Antigo Testamento).
3. Uso Litúrgico - lido publicamente quando as comunidades cristãs se reuniram para a Ceia do Senhor (Cultos semanais).
4 . Mensagem consistente - com uma perspectiva teológica semelhante ou complementar a outros escritos cristãos aceitos.
5. Às vezes é difícil de aplicar esses critérios a todos os livros no cânon aceito, no entanto, e pode-se apontar para os escritos que os protestantes consideram ser antibíblicos, que iriam cumprir esses requisitos. Na prática, a maioria dos protestantes defende o Tanakh judaico para o Antigo Testamento e o Cânone católico romano para o Novo Testamento .

Cânones das diversas tradições cristãs

Articulações dogmáticas completa dos cânones não foram feitas até o Concílio de Trento de 1546 para o catolicismo romano, os Trinta e Nove Artigos de 1563 para a Igreja da Inglaterra , a Confissão de Fé de Westminster de 1647 para o calvinismo , e o Sínodo de Jerusalém de 1672 para a Igreja Ortodoxa Grega. Outras tradições, tendo também cânones fechados, pode não ser capaz de apontar para o ano exato em que seus respectivos cânones foram considerados completos.

O Antigo Testamento
Todas as grandes tradições cristãs aceitam os livros protocanônicos do hebraico em sua totalidade como divinamente inspirada e autoritária. Além disso, todas estas tradições, com a exceção dos protestantes, adicionam a este número de vários livros deuterocanônicos. No entanto, em algumas Bíblias protestantes, especialmente a bíblia inglesa King James e a Bíblia luterana muitos desses livros deuterocanônicos são mantidos como parte da tradição em uma seção chamada de "Apócrifos".

Alguns livros, como os Testamentos dos Doze Patriarcas da Igreja Apostólica Armênia, podem ter sido uma parte vital de uma tradição bíblica e podem ainda continuar a ocupar um lugar de honra, mas não são mais consideradas como parte da Bíblia. Outros livros, como a Oração de Manassés, para a Igreja Católica Romana, podem ter sido incluídos em manuscritos, mas nunca alcançou um alto nível de importância dentro dessa tradição particular. Os níveis de proeminência tradicional para outras igrejas, como Salmos 152-155 e os Salmos de Salomão para os canônes das igrejas sírias, permanecem obscuros.

Na medida em que os cânones ortodoxos Tewahedo nos interessam, deverão ser feitos alguns pontos de clareza. Em primeiro lugar, os livros das Lamentações, Jeremias e Baruch, bem como a Carta de Jeremias e o livro 4 Baruch são todos considerados canônicos pelas Igrejas Ortodoxa Tewahedo . No entanto, nem sempre é claro a forma como esses escritos são organizados ou divididos. Em algumas listas, eles podem simplesmente cair sob o título "Jeremias", enquanto em outros, eles são divididos de várias maneiras em livros separados. Além disso, o livro de Provérbios é dividido em dois livros - Messale (Provérbios 1-24) e Tägsas (Prov. 25-31). Além disso, enquanto os livros de Jubileus e Enoque são bastante conhecidos entre os estudiosos ocidentais , os livros de 1 , 2 e 3 Meqabyan não são. Os três livros da Meqabyan são muitas vezes chamados de "Macabeus etíopes", mas são completamente diferentes no conteúdo dos livros dos Macabeus, que são conhecidos e/ou que tenham sido canonizado em outras tradições. Finalmente o livro de Joseph ben Gurion ou Pseudo-Josefo, é a história do povo judeu, que se pensa ter por base os escritos de Flávio Josefo . A versão Etíope (Zena Ayhud) tem oito partes e está incluído no cânone Orthodoxo Tewahedo mais amplo. 

Notas:

O termo “protestante” não é aceito por todas as denominações cristãs , que muitas vezes caem sob este título por padrão, especialmente aqueles que se veem como uma extensão direta da igreja do Novo Testamento. No entanto, o termo é usado livremente aqui para incluir a maioria dos cristãos, se não todos, do protestantismo não-católicos, os pentecostais carismáticos e as igrejas evangélicas. Outras igrejas ocidentais e movimentos que têm uma história divergente do catolicismo romano, mas não são necessariamente consideradas historicamente protestantes, também pode cair sob essa terminologia.

O crescimento e desenvolvimento do cânon bíblico armênio é complexo. Livros extra-canônicos do Antigo Testamento aparecem em listas canônicas históricas e recensões que são ou exclusivas a esta tradição, ou onde eles não existem em outro lugar, mas que nunca alcançaram o mesmo status. Estes incluem as mortes dos profetas, que não está listado nesta tabela. (Também é conhecido como As Vidas dos Profetas). Outra escrita não listados nesta tabela chamado Palavras de Sirac, que é distinto do Eclesiástico e seu prólogo, e que aparece no apêndice da Bíblia armênia Zohrab de 1805 ao lado de outros, obras mais comumente conhecidas.


Somando-se a complexidade dos cânones bíblicos ortodoxos Tewahedo, o épico nacional Kebra Negast foi conhecido por ter sido incluído em algumas edições etíopes da Bíblia. Ele não é considerado oficialmente a ser bíblico, no entanto tem um status elevado entre muitos cristãos etíopes e aqueles que se identificam com o movimento Rastafari.

Os apócrifos ingleses incluem a Oração de Manassés, 1 e 2 Esdras, as Adições a Ester , Tobias, Judite , 1 e 2 Macabeus , o Livro da Sabedoria, Eclesiástico , Baruc , Carta de Jeremias e as adições ao Daniel . Os apócrifos luteranos omite desta lista 1 e 2 Esdras. Algumas bíblias protestantes incluem 3 Macabeus como parte dos apócrifos . No entanto, muitas igrejas dentro do Protestantismo rejeitam os apócrifos, não considerando-os úteis, e não os incluem em suas Bíblias.
 
A oração de Manassés, é incluído como parte do Livro de Odes , que segue os Salmos nas Bíblias Ortodoxas Orientais . O restante do Livro de Odes consiste em passagens encontradas em outras partes da Bíblia.

Os livros de 2 Esdras, 3 Esdras e 3 Macabeus estão incluídos nas Bíblias armênias e tem um status elevado na tradição bíblica armênia, mas são considerados "extra-canônicos”

Em muitas Bíblias orientais, o Apocalipse de Esdras não é uma correspondência exata para a versão Latina de Esdras – O 2 Esdras na biblia inglesa King James ou 4 Esdras na Vulgata , que inclui um prólogo em latim (o 5 Esdras ) e o epílogo (6 Esdras) . No entanto, certo grau de incerteza continua a existir aqui, e é certamente possível que o texto completo, incluindo o prólogo e o epílogo, aparece nas Bíblias e manuscritos bíblicos usados ​​por algumas dessas tradições orientais. Também digno de nota é o fato de que em muitas versões latinas estão faltando os versos 7:36-7:106.

As evidências fortes sugerem que um manuscrito grego do 4 Esdras uma vez existiu, o que implica, além disso, a origem hebraica do texto.

Um fragmento primitivo de 6 Esdras é conhecido por existir na língua grega, o que também implica uma possível origem hebraica para 2 Esdras 15-16 .


A Colocação do livro de Esther dentro do cânon foi questionada por Lutero. Outros, como Melito, omitiram este livro do cânon.

O livro de Macabeus faz parte da tradição dos Irmãos Morávios, pois está incluído na apócrifos da Bíblia Checa Kralicka. Também foi aparentemente incluído em algumas outras Bíblias protestantes antigas . O estudioso Bruce Metzger cita a existência de uma Bíblia protestante primitiva contendo o Terceiro Livro dos Macabeus.

Os livros de 2 e 3 Meqabyan (2 e 3 Macabeus Etíope), embora relativamente independentes em conteúdo, são muitas vezes consideradas como um único livro.

Algumas fontes colocam o Zena Ayhud dentro do chamado "cânone estreito" etípe.

A versão siríaca da Guerra Judaica VI de Josefo aparece em alguns manuscritos da Peshitta como o "Quinto Livro dos Macabeus ", que é claramente um equívoco.

Vários diferentes listas históricas cânonicas existem para a tradição Tewahedo ortodoxa. Em uma lista específica encontrada em um manuscrito Museu Britânico (Add. 16188), um livro de Asenate é inserido dentro do cânon. Isso provavelmente se refere ao livro mais conhecido como José e Asenate. Um livro desconhecido de Uzias também está listado lá .

Algumas tradições usam um conjunto alternativo de Salmos litúrgicos e/ou métricos.

Em muitos manuscritos antigos, uma coleção distinta conhecida como Odes de Salomão é encontrado junto com os similares Salmos de Salomão.
O livro do Eclesiástico é geralmente precedido por um prólogo não canônico escrito pelo neto do autor.

Em algumas versões latinas, o capítulo 51 do Eclesiástico aparece separadamente como a "Oração de Josué, filho de Siraque"

A variante mais curta da oração feita pelo rei Salomão em 1 Reis 8:22-52 apareceu em alguns manuscritos latinos medievais, e é encontrada em algumas Bíblias latinas no final ou imediatamente após Eclesiástico. As duas versões da oração em latim podem ser visualizadas on-line para comparação no seguinte site: BibleGateway.com: Sirach 52 / 1 Kings 8:22–52; Vulgate

O “Martírio de Isaías” é leitura prescrita para honrar o profeta Isaías dentro da liturgia Apostólica Armênia. Enquanto isso provavelmente refere-se ao relato da morte de Isaías dentro das Vidas dos Profetas, ele pode ser uma referência para a narrativa de sua morte, encontrada dentro dos cinco primeiros capítulos da Ascensão de Isaías, que é amplamente conhecido por este nome. As duas narrativas têm semelhanças e pode compartilhar uma fonte comum.

A Ascensão de Isaías tem sido conhecida por fazer parte da tradição ortodoxa bíblica Tewahedo. Embora atualmente não seja considerada canônica, várias fontes confirmam o início de canonicidade, ou pelo menos da "semi-canonicidade" deste livro.

Em algumas versões latinas, o capítulo 5 das Lamentações aparece separadamente como a "Oração de Jeremias"


O livro das Lamentações Etíopes consiste em onze capítulos, partes da quais são considerados como sendo não canônicos.

A versão Etíope de Baruch tem cinco capítulos, mas é menor do que o texto da Septuaginta.

A "Carta aos cativos" encontrados dentro do Säqoqawä Eremyas, também conhecida como o sexto capítulo das Lamentações Etíopes, pode conter conteúdo diferente a partir da Carta de Jeremias (para os mesmos cativos) encontrados em outras tradições.

A Carta de Baruch é encontrada nos capítulos 78-87 do livro de 2 Baruch, os últimos dez capítulos do livro. A carta tinha uma circulação mais ampla e muitas vezes aparecia separadamente a partir dos primeiros 77 capítulos do livro de 2 Baruch, que na verdade é um apocalipse.

Incluem-se aqui com o propósito de desambiguação, 3 Baruch é amplamente rejeitado como pseudepígrafo, e não faz parte de qualquer tradição bíblica . Dois manuscritos dele existem: um manuscrito grego com mais interpolações cristãs e uma versão eslava mais curta. Existe alguma incerteza sobre qual delas foi escrita primeiro.



O cânon do Novo Testamento
Entre as várias denominações cristãs o cânon do Novo Testamento é um consenso geral sobre lista de 27 livros. No entanto , a maneira na qual os livros são organizados pode variar, e isso vai depender da tradição. Por exemplo, nas tradições luteranas, eslavas, ortodoxas, Tewahedo, siríacas, armênio e outras tradições, o Novo Testamento é ordenado de forma diferente do que é considerado o arranjo padrão . As Bíblias protestantes na Rússia e na Etiópia costumam seguir a ordem Ortodoxa local para o Novo Testamento. A Igreja Ortodoxa Siríaca e a Igreja Assíria do Oriente, tanto aderiram à tradição litúrgica Peshitta que historicamente excluem cinco livros Antilegomena Novo Testamento (os chamados Antilegomena) : 2 João , 3 João , 2 Pedro , Judas e Apocalipse. No entanto, esses livros são incluídos em certas Bíblias das modernas tradições siríacas.

Outros trabalhos do Novo Testamento que são geralmente considerados apócrifos parecem, no entanto , em algumas Bíblias e manuscritos . Por exemplo , a Epístola de Laodicéia foi incluída em vários manuscritos da Vulgata Latina , nas Bíblias alemães antes da tradução de Lutero , e também aparecem em um número de Bíblias inglesas primitivas, tais como a Bíblia de Gundulf e na tradução inglesa de John Wycliffe, mesmo tão recentemente quanto 172 , William Whiston considerou esta epístola sendo genuinamente paulina. Da mesma forma, a Terceira Epístola aos Coríntios foi uma vez considerada parte da Bíblia Ortodoxa Armênia , mas não é mais impressa nas edições modernas. Dentro da tradição ortodoxa siríaca , a Terceira Epístola aos Coríntios também tem uma história significante. Tanto Aphrahat e Efrém da Síria as mantiveram em alta conta, e tratado-as como se fosse canônicas. No entanto, foi ela foi deixada para fora da Peshitta Siríaca e, finalmente, excluída do cânone completamente.

A Didaquê , o Pastor de Hermas e outros escritos atribuídos aos Padres Apostólicos já foram considerados Escrituras por vários padres da Igreja primitiva . Eles ainda estão sendo honrados em algumas tradições , embora eles não sejam mais considerados canônicos. No entanto, alguns livros canônicos dentro das tradições ortodoxas Tewahedo têm a sua origem nos escritos dos Padres Apostólicos , bem como nas ordens da Igreja Antiga . As igrejas Ortodoxa Tewahedo reconhecem estes oito livros adicionais do Novo Testamento em seu cânone mais amplo. Eles são os seguintes : Os quatro livros de Sinodos , os dois livros da Aliança, O Clemente Eetíope e a Didascalia etíope .

Notas
 
O crescimento e desenvolvimento do cânon bíblico armênio é complexo. Livros extra- canônicos do Novo Testamento aparecem em listas canonicas históricas e recensões que são ou distintas a esta tradição , ou então onde eles não existem em outro lugar, mas que nunca alcançaram o mesmo status. Alguns dos livros não estão listados nesta tabela. Estes incluem a Oração de Euthaliu , o repouso de São João Evangelista , a Doutrina de Addai , uma leitura do Evangelho de Tiago , o 2 Cânones Apostólicos , as palavras de Justus, Dionísio Aeropagita, a pregação de Pedro e um poema de Ghazar. Várias fontes mencionam também armênios adições canônicas indefinidas para os Evangelhos de Marcos e João , no entanto, estes podem se referir as adições gerais: Marcos 16:9-20 e João 07:53-08:11. Uma possível exceção aqui para exclusividade canônico é o segundo Cânones Apostólicos , que compartilham uma origem comum - as Constituições Apostólicas , com certas partes do cânone mais amplo do Novo Testamento Ortodoxo Tewahedo. Existe alguma incerteza sobre se é realmente a Doutrina de Addai , ou melhor, um trabalho relacionado chamado Atos de Tadeu, que aparece nas listas canônicas armênias. Além disso a correspondência entre o rei Agbar e Jesus Cristo , que é encontrada em várias formas , incluindo tanto dentro da Doutrina de Addai e os Atos de Tadeu, às vezes aparece separadamente. Vale ressaltar que a Oração de Euthalius e o repouso de São João Evangelista aparece no apêndice da biblia armênica Zohrab de 1805. No entanto, alguns dos livros mencionados , embora eles sejam encontrados dentro de listas canônicas, no entanto nunca foram considerados para serem parte de qualquer manuscrito bíblico armênio.

Embora amplamente considerado como não-canônico, o Evangelho de Tiago é uma importante fonte para muitas tradições cristãs relacionadas com Maria, mãe de Jesus .

O evangelho harmônico Diatessaron de Taciano tornou-se um texto padrão em algumas igrejas de língua siríaca até o século quinto, quando deu lugar para os quatro evangelhos separados encontrados na Peshitta .

Partes destas quatro livros não são encontradas nas antigas fontes mais fiáveis ​​e, em alguns casos , pensa-se serem adições posteriores, e por conseguinte, não existiram historicamente em cada tradição bíblica. Eles são os seguintes : Marcos 16:9-20 , João 7:53-8:11 , o “Johanneum Comma” e partes da versão ocidental de Atos. Em diferentes graus, os argumentos para a autenticidade destas passagens , especialmente para a do Evangelho de João , ocasionalmente foram feitos.


Skeireins , um comentário sobre o Evangelho de João feito na linguagem gótica, foi incluído na Bíblia Wulfila. Ela existe hoje apenas em fragmentos.

Os Atos de Paulo e Tecla , a Epístola de Paulo aos Coríntios e a Terceira Epístola aos Coríntios são todas partes da narrativa maior dos Atos de Paulo, que faz parte de um catálogo esticométrico do cânon do Novo Testamento encontrada no Codex Claromontanus, mas que sobreviveu apenas em fragmentos . Parte do conteúdo dentro dessas seções individuais podem ter se desenvolvido separadamente , no entanto.

A Terceira Epístola aos Coríntios muitas vezes aparece com e é enquadrada como sendo uma resposta à Epístola dos Coríntios a Paulo 


A Epístola de Laodicéia está presente em algumas traduções não-católicas ocidentais e em outras tradições. Especialmente digno de nota é a inclusão de John Wycliffe da epístola em sua tradução inglesa e o uso dos Quakers dele até o ponto onde eles produziram uma tradução e fizeram apelos para a sua canonicidade. A epístola é, no entanto, amplamente rejeitado pela grande maioria dos protestantes. 


Quatro livros (Epístola aos Hebreus, Tiago, Judas e o livro de Apocalipse) foram questionados por Martinho Lutero, e ele mudou a ordem de seu Novo Testamento para refletir isso, mas ele não os deixou de fora , assim como nenhum corpo doutrinário luterano desde então. As bíblias alemãs tradicionais de Lutero ainda são impressas com o Novo Testamento nesta ordem "luterana" modificada . A grande maioria dos protestantes abraçam estas quatro obras como totalmente canônica.

A Peshitta Siríaca exclui os livros de 2 João , 3 João , 2 Pedro, Judas e Apocalipse , mas certas Bíblias das modernas tradições siríacas incluem posteriores traduções desses livros. Ainda hoje, o lecionário oficial seguido pela Igreja Ortodoxa Siríaca e pela Igreja Assíria do Oriente, apresentam lições apenas dos vinte e dois livros da Peshitta original, a versão para a qual apelo é feito para a resolução de questões doutrinárias.

O Apocalipse de Pedro , embora não faça parte das modernas bíblias cristãs, é mencionado no fragmento de Muratori e é parte de um catálogo esticométrico do Novo Testamento, o cânone encontrado no Codex Claromontanus . Também foi tido em alta consideração por Clemente de Alexandria. 


Outros escritos conhecidos dos Padres Apostólicos não listados nesta tabela são os seguintes: as sete Epístolas de Inácio, a Epístola de Policarpo , o Martírio de Policarpo , a Epístola a Diogneto , o fragmento de Quadratus de Atenas, os fragmentos de Papias de Hierápolis , os Reliques dos Sábios e o Credo dos Apóstolos .

Embora eles não estão listados nesta tabela, as Constituições Apostólicas foram consideradas canônicas por alguns, inclusive Alexius Aristenus , João de Salisbury, e, em menor medida, Grigor Tat ` evatsi . Eles ainda são classificadas como parte do cânon do Novo Testamento dentro do corpo das Constituições em si. Além disso, eles são a fonte de uma grande quantidade de conteúdo no cânone Ortodoxo Tewahedo mais amplo.
 
Estes cinco escritos atribuídos aos Padres Apostólicos ( A primeiras e segundas Epístolas de São Clemente, o Pastor de Hermas, a Epístola de Barnabé e o Didaquê) não são atualmente considerados canônicos, em qualquer tradição bíblica, apesar de serem mais altamente considerado mais por alguns do que outros . No entanto, sua autoria antiga e inclusão em antigos códices da Bíblia , bem como a sua aceitação em diferentes graus por várias autoridades primitivas, exige que eles sejam tratados como literatura fundamental para o cristianismo como um todo. 
O Clemente Etíope e o Didascalia Etíope são distintos e não devem ser confundidos com outros documentos eclesiásticos conhecido no Ocidente por nomes semelhantes.

Cânones dos Santo dos Último dias ou A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

As obras-padrão de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias ( Igreja Mórmon ) é composto de vários livros que constituem a sua scripturalcanon aberto, e incluem o seguinte:

• A versão King James da Bíblia - sem os livros apócrifos
• O Livro de Mórmon : Outro Testamento de Jesus Cristo
• Doutrina e Convênios da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias
• A Pérola de Grande Valor

A Pérola de Grande Valor contém cinco seções: "Seleções do Livro de Moisés", "O Livro de Abraão", "O Mateus de Joseph Smith", " História de Joseph Smith" e "As Regras de Fé" . O Livro de Moisés e o Mateus de Joseph Smith são porções do livro de Gênesis e no Livro de Mateus ( respectivamente ) da Tradução de Joseph Smith da Bíblia.

Os manuscritos da inacabada Tradução de Joseph Smith da Bíblia ( JST ) atesta que "o Cântico dos Cânticos não é Escritura inspirada". No entanto, ainda é impresso em cada versãoKing James da Bíblia publicada pela igreja.

As obras-padrão são impressas e distribuídas pela igreja mórmon em uma única ligação chamado de "Combinação Quadruple" ou um conjunto de dois livros, com a Bíblia em uma ligação, e os outros três livros em uma segunda ligação chamado de "Combinação Tripla". As Edições atuais das obras-padrão incluem um dicionário da bíblia, fotografias, mapas, guia tópico, índice, notas de rodapé, referências cruzadas e trechos da Tradução de Joseph Smith da Bíblia e de outros estudos de auxílio.

Outras seitas do Santo dos últimos dias 

Cânones de vários denominações do Santo dos Últimos Dias divergem das obras-padrão SUD . Por exemplo , a seita Bickertonite não considera a Pérola de Grande Valor e nem as Doutrinas e Convênios para serem bíblicas. Em vez disso, eles acreditam que as Escrituras do Novo Testamento contém uma descrição fiel da igreja estabelecida por Jesus Cristo. Tanto a Bíblia King James e o Livro de Mórmon são considerados a palavra inspirada de Deus, como todas as doutrinas e fé da Igreja são referenciados com estes dois livros.

A Comunidade de Cristo aponta para Jesus Cristo como a Palavra viva de Deus, e afirma a Bíblia , junto com o Livro de Mórmon , bem como a sua própria versão de Doutrina e Convênios como escrituras para a igreja. Enquanto ela publica uma versão da Tradução de Joseph Smith , que inclui o material do Livro de Moisés, a Comunidade de Cristo aceita também o uso de outras traduções da Bíblia , como a versão padrão King James e a Nova Versão Internacional .

Como os Bickertonites acima mencionados, a Igreja de Cristo (Templo de Ló) rejeita a Doutrina e Convênios ea Pérola de Grande Valor , bem como a Tradução de Joseph Smith da Bíblia, preferindo usar apenas a Bíblia King James e o Livro de Mórmon como padrões doutrinários . O Livro dos Mandamentos é aceito como sendo superior a Doutrina e Convênios como um compêndio das primeiras revelações de Joseph Smith , mas não tem o mesmo status da Bíblia ou do Livro de Mórmon.

A Palavra do Senhor e Da Palavra do Senhor trazidos à humanidade por um anjo são dois livros relacionados considerados bíblicos por certas facções (Fettingite), que se separaram da Igreja Templo de Ló. Ambos os livros contêm revelações supostamente dadas ao criador da Igreja de Cristo ( Templo de Ló), que seria o Apóstolo Otto Fetting, por um ser angelical que dizia ser João Batista. O último título contém a totalidade do material do antigo com revelações adicionais. Supostamente dado a William A. Draves por este mesmo ser, após a morte de Fetting . Nem são aceitos pelo corpo Templo nem pela maior parte dos seguidores.

A seita Strangite considerar a Bíblia (quando corretamente traduzida ), o Livro de Mórmon, e edições de Doutrina e Convênios publicados antes da morte de Joseph Smith (que continha As Lições sobre a Fé), a ser emescrituras inspiradas. Eles também possuem a Tradução de Joseph Smith da Bíblia como sendo inspiradas, mas não acreditam que as publicações modernas do texto são precisas. Outras partes da Pérola de Grande Valor , no entanto, não são consideradas bíblicas, embora não sejam necessariamente totalmente rejeitadas . O Livro de Jasar foi consistentemente usadotanto por Joseph Smith como por James Strang, mas como acontece com outras denominações e seitas do Santo dos Último Dias, não há nenhuma posição oficial sobre a sua autenticidade, e não é considerado canônico. Um trabalho adicional chamado O Livro da Lei do Senhor, também é aceito como escritura inspirada pelos Strangites . Eles também mantem como escrituras diversas profecias , visões , revelações e traduções impressas por James Strang, e publicado nas Revelações de James J. Strang . Entre outras coisas, este texto contém sua suposta " Carta de Compromisso" de Joseph Smith e sua tradução das placas Voree .

Muitos denominações do Santo dos Últimos Dias também adotam As Regras de Fé, ou pelo menos os veem como uma declaração de teologia básica . (Eles são considerados bíblicos pela igreja maior LDS e estão incluídos na Pérola de Grande Valor) Às vezes, os artigos foram adaptados para atender respectivos sistemas de crenças de várias comunidades de fé .

Referências bibliográficas

The New Testament canon: its making and meaning, Harry Y. Gamble
Forgotten Scriptures. The Selection and Rejection of Early Religious Writings, Lee Martin McDonald 
The formation of the Christian biblical canon, Lee Martin McDonald
Early Christianity and its sacred literature, Lee Martin McDonald
The Biblical canon: its origin, transmission, and authority, Lee Martin McDonald 
The Canon Debate, Lee Martin McDonald & James A. Sanders (eds.) 
The Canon of the New Testament: its origin, development, and significance, Bruce M. Metzger  

Um comentário:

  1. Muito obrigado por disponibilizar seus estudos no blog, é maravilhoso.

    ResponderExcluir