sábado, 4 de maio de 2013

A Hipotese Documentária: A origem do Pentateuco

Uma introdução ao problema


A visão religiosa tradicional sobre a origem da Torá é de que ela foi composta por Moisés entre os anos de 1446 a.C. e 1406 a.C. Embora essa visão ainda seja aceita por cristãos e judeus conservadores, os estudiosos modernos argumentam que toda a Torá foi composta em meados do primeiro milênio antes de Cristo, para ser uma "prequela" para os livros proféticos (Josué, Juízes, Samuel e Reis).

Atualmente existem três grandes abordagens para a questão da data e do modo de composição da Torá (ou Pentateuco). A Hipótese Documentária (que será abordada nesse artigo) sustenta que a Torá foi composta por entrelaçamento de quatro narrativas originais, que originalmente eram separadas e completas em si, cada uma lidando com o mesmo assunto. Isso explicaria muitas das características intrigantes dos cinco livros, nomeadamente o aparecimento de vários nomes para Deus e incidentes duplicados, tais como as narrativas de duas criações da humanidade. Basicamente o que a Hipótese Documentária afirma é de que existiam então quatro documentos independentes, conhecidos como fonte javista Jfonte eloísta E, fonte sacerdotal P e a fonte deuteronomista D, e que foram compostos entre 900 a.C. e 550 a.C., e sendo redigidos (ou agrupados) em 450 a.C., possivelmente por Esdras.

A hipótese documentária monopolizou as abordagens acadêmicas para a data e a composição da Torá até o último quarto do século 20, quando os estudiosos avançaram em suas pesquisas, e propuseram teorias alternativas que podem ser agrupadas em dois modelos amplos:

O primeiro é o "Modelo Fragmentário", que sustenta que a Torá cresceu gradualmente a partir de uma série de fragmentos de várias extensões. Os modelos fragmentários (como por exemplo, os de R. Rendtorff e E. Blum), afirmam que a Torá é o produto do lento crescimento das tradições fragmentárias (sem documentos), ao longo do período que vai de 850 a.C. até 550 a.C., e se consolida na sua forma final aproximadamente em 450 a.C.

A visão alternativa é o "Modelo Suplementar", que afirma que a Torá é, em grande parte, o trabalho de um editor, ou grupo de editores, que trabalharam (ou completaram), um tipo de material já existente. Nos modelos suplementares (como por exemplo, o modelo do estudioso J. Van Seters), a Torá foi composta por uma série de expansões autorais em torno de um documento ou fonte original, normalmente identificado como J ou P, em grande parte durante o sétimo e sexto séculos antes de Cristo, cuja forma final foi atingida aproximadamente em 450 a.C.

Há ainda o chamado Minimalismo Bíblico, que sustenta que a Torá foi composta no período Hasmoneu-Helenístico, entre 300 a.C. e 140 a.C.


A Hipótese Documentária

A hipótese documentária, também conhecida entre os estudantes de Teologia moderna como a Hipótese de Wellhausen (Em homenagem ao seu autor, Julius Wellhausen), propõe que o Pentateuco foi derivado de fontes independentes, paralelas e narrativas completas, que foram subsequentemente combinadas em sua forma corrente por uma série de redatores ou editores. O número destas fontes é usualmente fixado como sendo quatro, mas essa não é a parte essencial da hipótese.

A hipótese foi desenvolvida entre os séculos 18 e 19, da tentativa de se conciliar as inconsistências do texto bíblico. Pelo fim do século 19 foi aceito de maneira geral a tese de que quatro fontes principais foram combinadas na forma final por uma série de redatores. Estas quatro fontes são conhecidas como Javista ou J, a fonte Eloísta, ou E, a fonte Deuteronomista, D (Este nome provém do fato de esta fonte é a base do livro do Deuteronômio) e a fonte sacerdotal, ou P (Em alemão, sacerdote é Priester, e em inglês é Priest).

A grande contribuição de Julius Wellhausen foi em ordenar estas fontes cronologicamente como JEDP, dando-as um ajuste coerente na evolução da história de Israel, que ele via como em ordem crescente com o aumento do poder e prestígio sacerdotal. A formulação de Wellhausen é a seguinte:

Fonte Javista (J): Escrita cerca de 950 a.C. no sul do reino de Judá.
Fonte Eloísta (E): Escrita cerca de 850 a.C. no norte do reino de Israel.
Fonte Deuteronomista (D): escrita cerca de 600 a.C. em Jerusalém, durante o período de reforma religiosa.
Fonte Sacerdotal (P): escrita em 500 a.C. pelos Kohanim (sacerdotes judeus), no exílio babilônico.

Muito embora a hipótese de Wellhausen tenha sido substancialmente alterada e modificada por outros modelos paralelos no século 20, sua terminologia e seus insights continuam a providenciar um referencial para as modernas teorias sobre as origens da Torá. 

Em resumo: A Hipótese documentária de Julius Wellhausen propõe que a Torá era, originalmente, quatro narrativas distintas, cada uma completa em si mesma, cada uma lidando com os mesmos incidentes e personagens, mas com "mensagens" distintas. As quatro fontes foram combinadas duas vezes por editores (ou "redatores"), que se esforçaram para manter, tanto quanto possível, os documentos originais.


A pesquisa do Pentateuco até os nossos dias

Antes de adentrarmos a dentro na teoria de J. Wellhausen, é necessário salientar os problemas que deram origem ao questionamento da autoria mosaica do Pentateuco, e além disso as tentativas anteriores à Hipotese Documentária de se resolver o problema. Eis aqui o resumo:

1. Tradição. - Na época posterior ao exílio, Moisés passou a ser considerado o mediador ou o redator da lei do Pentateuco, recebida de Deus, e isto ocorreu particularmente depois que a lei deuteronômica já havia dado um passo neste sentido. Esta opinião é documentada a partir do século V a.C. (Ml 3,22; Esd 3,2; 7,6; 2Cr 25,4; 35,12). O Novo Testamento pressupõe que Moisés tenha redigido todo o Pentateuco (Mt 19,7s; Mc 12,26; Jo 5,46s; At 15,21; Rm 10,5). Referências expressas se encontram, a seguir, em Josefo, em Fílon e no Talmude. A Igreja assumiu a tradição judaica de Moisés como autor do Pentateuco. Até o século XVII só raramente foi contestada esta teoria. Evidentemente surgiram sempre dúvidas expressas contra ela, mas não se pode falar que tenham sido uma investigação de sentido histórico. Orígenes se defrontou com as críticas de Celso contra a unidade e a origem mosaica do Pentateuco, enquanto outros padres rebatiam dúvidas semelhantes da parte dos gnósticos. Na Idade Média, Isaac Ben Jesus chegou à conclusão de que Gn 36,31 pressupõe a existência do reino de Israel, Ibn Esra e outros, e mais tarde Karl-Stadt, Masius, Pereira, Bonfrère e Hobbes, e no período subsequente também Peyrère, Spinoza, Simon e Clericus, sobretudo, acrescentaram objeções isoladas de toda espécie, contra a autoria de Moisés. Não fizeram observações construtivas e que trouxessem real progresso. Deparava-se apenas com detalhes estranhos, sem que se buscasse um ponto de referência fundamental.

Constata-se, nesta altura, que o Pentateuco se apresenta na realidade como uma obra anônima, sem indicação de autor e sem informação direta sobre a origem mosaica para todo o conteúdo. Deste modo, a tradição afirma, mais do que o próprio Pentateuco, sobre a proveniência deste. Somente algumas perícopes são atribuídas expressamente à autoria de Moisés, sem que isto, no entanto, corresponda necessariamente à realidade. Estas perícopes são:

o relato da batalha contra os amalecitas (Ex 17,14),
aquilo que se costuma chamar de Código da Aliança , (Ex 24,4),
o decálogo cultual (Ex 34,27),
a lista dos sítios dos acampamentos (Nm 33,2),
o "Deuteronômio" (Dt 1,5;4,45;31,9.24),
o cântico de Moisés (Dt 31,30)

A parte principal do Pentateuco, pelo contrário, não pretende ter sido redigida por Moisés, nem transmitida oralmente desde sua época. A partir do século XVIII uma série de pesquisas e argumentos decisivos e dos mais variados tipos vieram provar que esta constatação negativa corresponde à realidade. Para o momento, indicamos algumas das inúmeras passagens que sugerem uma época posterior a Moisés:

a) Estas passagens subentendem a instalação de Israel na Palestina: os cananeus estavam então naquela terra (Gn 12,6; 13,7). Canaã é chamada terra dos hebreus (Gn 40,15). A região a leste do Jordão é designada a partir da posição de quem se acha a oeste do Jordão, isto é, estando além do Jordão (Gn 50,10s; Nm 22,1; Dt 1,1.5)

b) Mostram-nos o autor distanciando em relação à época de Moisés: a fórmula até o dia de hoje (Dt 3,14;34,6 et passim), e não se levantou mais em Israel profeta semelhante a Moisés (Dt 34,10).

c) Pressupõem condições políticas da época posterior: o emprego do topônimo Dan, que data, no máximo, do estabelecimento de Israel na época dos Juízes (Gn 14,14; Dt 34,1); antes que os filhos de Israel tivessem rei (Gn 36,31); a lei relativa ao rei (Dt 17,14ss).

2. Tentativas de resolver o problema

Se o Pentateuco não provém de Moisés, então se põe a questão de saber como teria surgido. Foi a partir das tentativas de dar uma resposta a estes problemas que se desenvolveram a pesquisa e a crítica do Pentateuco, que constituiu e constitui ainda hoje a parte mais considerável da ciência do AT. Devemos observar ainda que se trata de uma questão justa e necessária, e que são inevitáveis as tentativas de resolvê-la de modo o mais exato possível. A própria Exegese e a Teologia não podem prescindir delas.

O empenho em discernir cada uma das partes que entram na composição do Pentateuco e em determinar a época em que ele apareceu, bem como o de saber sua finalidade, deu origem a uma série de hipóteses, que funcionam como tentativas de solução. A pesquisa crítica teve dois precursores que logo foram esquecidos e não tiveram influência: o pastor H. B. Witter, que utilizou como critério de distinção sobretudo a alternância dos nomes divinos Javé e Elohim no Gênesis e reconheceu a existência de duas narrativas distintas da criação, mas não estendeu sua pesquisa a todo o Gênesis, e J. Astruc, que partiu igualmente da diferença dos dois nomes divinos, para distinguir no Gênesis a presença de duas fontes principais e de dez fontes secundárias que teriam sido usadas por Moisés.

a) A primeira hipótese dos documentos (Eichhorn, Ilgen) afirmava que o Pentateuco, do qual, quase sempre só se pesquisava o Gênesis, se originara de várias fontes. Segundo tal hipótese, o Pentateuco é composto de uma série de narrativas correlatas, em que o último redator ou revisor utilizou como "documentos" formulados definitivamente, mas submetendo-os a uma revisão do conjunto. Contudo, esta hipótese se depara com dificuldades, quando passa ao estudo dos códigos legais.

b) A hipótese dos fragmentos (Geddes, Vater, e De Wette até certo ponto) parte do estudo dos códigos legais do Pentateuco. Estes códigos dão a impressão de serem fragmentos mais ou menos extensos, autônomos e independentes entre si, e de terem sido colocados uns ao lado dos outros no Pentateuco, sem uma vinculação interna. Com base nesta descoberta, procurou-se captar o processo de formação de todo o Pentateuco, partindo-se da elaboração redacional desses fragmentos legislativos e narrativos. Contudo, logo que se procure aplicar esta hipótese às secções narrativas, tornar-se quase impossível entender a existência da construção planificada e da cuidadosa ordenação de todo o conjunto, bem como a cronologia que lhe é correlata. 

c) A hipótese complementar (Ewald, até certo ponto; Bleek, Tuch, Frz. Delitzsch) procurou resolver o problema, admitindo que uma só fonte constitui o núcleo do Pentateuco, ou seja, o chamado documento básico [Grundschrift], eloísta e de composição unitária, que foi completado depois por elementos javistas. Ewald, cuja opinião se identificava essencialmente com a da primeira hipótese dos documentos, bem cedo se afastou da hipótese complementar e, como outros, passou a admitir duas fontes eloístas que teriam sido reescritas, fundidas e completadas por um autor javista. Ewald estabelece, assim, uma certa ligação entre a primeira hipótese dos documentos e a hipótese complementar (e semelhantemente Schrader).   
 
d) A segunda hipótese dos documentos (Hupfeld, Riehm, Dillмann, Frz. Deliтzscн) admite a existência de três fontes preexistentes e originalmente autônomas: duas eloístas e uma javista, que um redator final refundiu e combinou. Depois que Riеhm fez valer, mais tarde e quase universalmente, a tese defendida por De Wette, segundo a qual o Deuteronômio é obra autônoma e distinta dos demais livros do Pentateuco, passou-se a ter uma base crítico-literária, na qual se admitiam quatro componentes primitivos e se determinava a ordem de sucessão das partes. Utilizando as abreviaturas hoje universalmente aceitas, teremos a seqüência: P (Priesterschrift, “Documento Sacerdotal”) – E (Eloísta) – J (Javista) – D (Deuteronomista).

e) As pesquisas posteriores provocaram, em breve, fortes mudanças na opinião relativa à ordem cronológica destas fontes. Depois que Reuss e Vatke deixaram de considerar o documento conhecido pela abreviatura P como o mais antigo, e lhe atribuíram uma data bastante tardia, sua posição foi amplamente aceita, sob a influência das pesquisas de Graf, Keunen e Wellнausen. Este novo ponto de vista pode ser expresso como segue: J é o documento mais antigo do Pentateuco; P não se situa no começo da história da fé javista, mas pertence a um estádio bastante posterior. Deste modo, teremos a ordem de seqüência: J-E-D-P. Desde então, esta seqüência foi admitida quase universalmente na pesquisa posterior, como também sua datação, embora com certas hesitações, e recentemente, também com a tendência a admitir-se uma época mais antiga: para J o século IX, para E o século VIII, para D o século VII e para P o século V.

Desta opinião divergem sobretudo König, Orelli e Strack, entre outros, que consideram E como a fonte mais antiga e admitem uma data mais recuada: E teria surgido por volta de 1200, J por volta de 1000, D por volta de 700-650, e P por volta de 500 a.C.; Dillмann, Graf Baudissin propõem a sequencia E-J-P-D e também uma data um pouco mais antiga: E, 900-850; J, 800-750; P, 800-700, e D, 650-623 a.C.: e Kaufmann, com a tese segundo a qual P seria a fonte mais antiga.

f) Além de muitos estudiosos do AT, que a partir de então tem adotado a opinião de Graf, Kuenen e Wellhausen, não faltam aqueles que a rejeitam, modificam ou pretendem substituir a segunda hipótese dos documentos.

Devemos mencionar, sobretudo, as seguintes tomadas de posição: muitas vezes procurou-se defendera a unidade literária do Pentateuco e sua autenticidade mosaica. Assim, entre outros , Möller, MacDonald, Jacob, Aalders, Young e Rabast. Também Levy  e Wiseman procuraram argumentos que sirvam de apoio à tradição. Apesar da validade de suas considerações e observações no que diz respeito aos pormenores, tais opiniões em nada contribuíram para resolver o problema da origem do Pentateuco. Representam, em verdade, os inevitáveis movimentos de defesa contra a investigação crítica. Klostermann e Robertson propugnam uma espécie de teoria da cristalização (Eissfeldt), segundo a qual as demais partes do Pentateuco foram-se agrupando paulatinamente em torno da lei mosaica, durante sua recitação em público.

Erdmann e Dahse reprovam a opinião dos que admitem a preexistência de fontes circulantes, recusando-se a tomar como critério para isto a diversidade dos nomes divinos, e defendem uma espécie de hipótese complementar.

Löhr admite que Esdras tenha compilado uma material que remontaria a Moisés. Seria, assim, o redator do Pentateuco. Deste modo renova, até certo ponto, a hipótese dos fragmentos.

Baseados nos estudos feitos por J. Pedersen para o conhecimento da mentalidade israelítica e ao mesmo tempo admitindo a hipótese de uma tradição oral que teria persistido até depois do exílio, Engnell e outros consideram como inconsistente e mesmo impossível a distinção entre as fontes. Também desta maneira de abordar a história das tradições, e mesmo abstraindo das concepções arbitrárias conexas, a respeito da história religiosa, é indisfarçável a preocupação em se manter dentro da tradição em face da crítica.

Volz e Rudolph rejeitam a teoria de uma fonte E. Enquanto Voltz considera E e P apenas como produtos de uma reelaboração de J, Rudolph considera como independentes não somente P, mas também certos trechos de E, que ele, no entanto, interpreta como interpolações introduzidas em J. Também Mowinckel se voltou ultimamente contra a hipótese de E como fonte autônoma. Em vez disto, considera o material como sendo ampliações e reformulações posteriores de J, feitas com base no material das variantes surgidas no decorrer do tempo. Deste modo, o Javista se transforma de invariatus em Javista variatus.

Para Winnet, os livros de Êxodo e Números contêm uma tradição continuada que teria surgido no norte de Israel, sem a presença de outras fontes isoladas, e teria sofrido uma revisão antes do exílio (deuteronomista) e outra depois do exílio (P).

Em Cassuto, encontramos uma espécie de hipótese dos fragmentos. Segundo ele, o Pentateuco seria uma obra homogênea e originária da época dos profetas. Na construção dessa obra teria sido utilizada uma parte do material das numerosas tradições correntes em Israel, tendo sido ela reelaborada tantas vezes, que na multiplicidade e da multiplicidade, resultou uma obra unitária.

Todas essas opiniões nada mais indicam do que uma advertência a nos convencermos cada vez mais da solidez e da credibilidade dos fundamentos lançados pela segunda hipótese dos documentos no que respeita à divisão das fontes do Pentateuco.
 

3. Novas abordagens


No entretanto, as pesquisas sobre o Pentateuco tiveram prosseguimentos por formas muito diversas. Sem negar a validade das bases ou dos princípios relativos à divisão das fontes, elas conduziram, por um lado, à tentativa de aperfeiçoar esse método e, por outro lado, trouxeram novos conhecimentos e nova percepção, que levaram a uma reformulação dos conceitos de "hipótese" e de "documento".

a) Na pesquisa crítico-literária observou-se o empenho por aperfeiçoar a análise. As fontes aparecem sem homogeneidade e compostas de várias camadas ou filões.

Depois que Sᴄʜʀᴀᴅᴇʀ ³⁵, Bᴜᴅᴅᴇ ³⁶ e Bʀᴜsᴛᴏɴ ³⁷ deram início ao processo de distinguir em J diversos fios de narrativas, isto aliás no sentido de um afrouxamento da hipótese dos documentos, uma vez que se abandonou a tese de um único autor a trabalhar segundo um plano premeditado, Sᴍᴇɴᴅ ³⁸ deu um passo decisivo no sentido de se admitir que a conhecida fonte J não era um documento unitário nem foram ampliado com acréscimos, mas, antes, constava de duas fontes onde aparece de ambos os lados o nome divino de Javé. A estas duas fontes ele deu, respectivamente, o nome de J¹ e J², contando a partir de então com cinco fontes do Pentateuco, ao mesmo tempo em que as apresentava seguinte ordem cronológica: J¹ - J² - E - D - P. Esta tese foi aceita, embora com ligeiras modificações, entre outros por Eichrodt ³⁹, Holzinger ⁴⁰, Meinhold ⁴¹, Eissfeldt ⁴², Simpson ⁴³ e Fᴏʜʀᴇʀ ⁴⁴. Eissfeldt, por sua vez, substitui a designação J¹ pela de L (Laienquelle, "fonte leiga"), para indicar a diferença desta fonte em confronto com o interesse sacerdotal e cultual que se observa em P, ao passo que Fᴏʜʀᴇʀ prefere designá-la com a sigla N, em vista do seu pronunciado sabor nômade. Independentemente de Sᴍᴇɴᴅ, Morgenstern ⁴⁵ admite a existência de uma fonte quenita [K, abrev. de Keniter-Quelle], surgida por volta de 900 a.C., no sul da Palestina, e Pfeiffer ⁴⁶, uma fonte mais antiga (S), surgida em Seir ou no sul da Palestina, no século X a.C. Em contraposição com estas teses, Hölscher pretendeu, mais do que ninguém, demonstrar a unidade de J, mas teve de reconhecer como pertencendo ao seu J, dado tratar-se de duplicatas, uma série de trechos que, no entanto, parecem bem antigos e quadram perfeitamente com o referido J. Por outro lado, ele atribuiu a J certas passagens que perturbam visivelmente o rito da narrativa e destoam do contexto de seu J.

Procksch ⁴⁸ propôs uma divisão para E, supondo a existência de uma fonte E¹, escrita no reino do Norte, e uma variante E², produto de ampliações e que teria surgido em Judá, depois da ruína do reino setentrional. Mas nesta tese seria preferível falar em ampliações no sentido da hipótese complementar.

O caráter compósito de P já era reconhecido de longa data, principalmente no que se refere ao surgimento paulatino dos conjuntos jurídicos (Wᴇʟʟʜᴀᴜsᴇɴ). Segundo Vᴏɴ Rᴀᴅ ⁴⁹, P é constituído de duas correntes paralelas (Pᴬ e Pᴮ), a mais nova das quais apresenta caráter predominantemente cúltico e sacerdotal e é a que mais se estende em informações sobre pessoas e datas. Esta tese vai muito além da hipótese de um conjunto básico, ampliado posteriormente por diversos acréscimos. E aqui poderíamos perguntar se, precisamente no que se refere ao material legislativo, a aplicação da hipótese complementar e da hipótese dos fragmentos não nos ofereceria uma explicação mais satisfatória.

b) A pesquisa sobre a história ds formas e dos motivos, praticada em larga escala primeiramente por Gunkel e Gressmann, modificou até certo ponto a conceituação referente aos "documentos". A atenção se voltou do aspecto qualitativo e específico das fontes para as narrações e para os materiais em particular, a fim de captar a fase pré-literária, o nascimento e o desenvolver da tradição oral, sua situação histórico-vital (Sitz im Leben) e a natureza da religião do povo. A partir daí, as fontes se revelam, não como obras literárias de grandes personalidades e compostas segundo um plano bem determinado, mas como compilações de elementos populares, transmitidos desde tempos imemoriais e recolhidas, não por indivíduos mas por escolas. Daí resulta claramente que todas as fontes, mesmo as mais recentes, contem material antigo e constituem, por isso mesmo, conjuntos de natureza muito mais complexa do que se supunha antigamente. Isso é tanto mais válido a partir do momento em que se redescobre, em proporção cada vez maior, a tradição do Antigo Oriente em seus aspectos comparativos. A pesquisa, principalmente a pesquisa condições legais e da arte de narrar, conduziu a resultados notáveis, ainda que não indiscutíveis, e haverá de trazer ainda novos conhecimentos.

A isto se acrescenta o estudo da história das tradições, que, ao contrário do conceito de história da tradição, proposto por Engnell, se atém à distinção das fontes, mas procurando recuar para além desta etapa e investigando o paulatino desenvolver-se da tradição atual, no decurso de sua longa história. Para isto, é preciso acompanhar os diversos ciclos de tradições e determinar sua idade, suas relações mútuas e sua recíproca influência. Baseado nestes dados, Noth ⁵⁰ identifica, aliás de modo muito esquemático, cinco temas básicos da tradição em estudo: o Êxodo, a conquista da terra, a promessa feita aos patriarcas, a condução do povo através do deserto e a revelação do Sinai. A moldura temática que já existia foi preenchida com materiais narrativos, como o das pragas do Egito, da celebração da Páscoa, do Baal Peor (Beelfegor) e de Balaão, e da história de Jacó a leste do Jordão. Com outros enquadramentos e com a utilização de tradições isoladas, como a novela de José e as genealogias, os temas foram pouco a pouco se desenvolvendo.

Se, depois de tudo isto, voltarmos o olhar para os primórdios das fontes e considerarmos o seu desabrochar ao longo de vários estágios, de modo cada vez mais crescente, veremos que a pesquisa do Pentateuco se torna de tal modo complexa, que as datas propostas pelas "hipóteses" podem valer apenas como seu começo. Naturalmente é um começo necessário, de onde devem partir, de novo, todos os que se dedicam ao estudo do Pentateuco, para poder então recolocar a questão da origem das fontes do Pentateuco.

 Os precedentes históricos da Hipótese Documentaria

Anteriormente à hipótese de Wellhausen, a visão tradicional de que Moisés era o autor do Pentateuco começou a ser desacreditada, devido à uma crescente e detalhada análise que começou no século 17. Em 1651 Thomas Hobbes, no capítulo 33 de seu livro Leviatã, citou várias passagens, como Deuteronômio 34:6 "Nenhum homem sabe de sua sepultura até hoje", o que implica um autor que viveu muito tempo depois da morte de Moisés; Num 21:14, que se refere a um livro anterior chamado “Atos de Moisés” ( Ambos os livros de acordo com a tradução latina) e Genesis 12:6 "e estavam então os cananeus na terra" (o que implica um autor que vive em uma época em que os cananeus era não estavam mais na terra), e concluiu que nenhuma delas poderia ser por Moisés. Outros, incluindo os teólogos Isaac de la Peyrère e Richard Simon, o filosofo holandês Baruch Spinoza e John Hampden, chegaram à mesma conclusão, mas suas obras foram condenadas, vários deles foram presos e forçados a se retratar.

Em 1753 Jean Astruc publicou, de maneira anônima, o livro «Conjectures sur les mémoires originaux, dont il paraît que Moïse s'est servi pour composer le livre de la Genèse». O motivo de Astruc era refutar Hobbes e Spinoza . Para fazer isso, ele aplicou ao livro Gênesis as ferramentas de análise literária que os estudiosos já estavam usando com textos clássicos como a Ilíada, do poeta grego Homero, para peneirar tradições e variantes, e chegar ao texto mais autêntico. Ele começou por identificar dois marcadores que pareciam identificar variações consistentes, a utilização de "Elohim" ou "YHWH" (Yahweh) como o nome de Deus, e ao aparecimento de histórias duplicadas, ou parecidas, como os dois relatos da criação no primeiro e segundo capítulos do Gênesis com relação ao primeiro homem, e as duas histórias de Sara (mulher de Abrãao) e um rei estrangeiro (Gênesis cap. 12 e Genesis cap. 20). Ele colocou os versículos em colunas ordenadas, os versos "Elohim" em uma coluna, e os versos "YHWH" em outro, e os membros das parelhas em suas próprias colunas ao lado destes. As colunas paralelas assim construídas continham duas narrativas longas, cada um lidando com os mesmos incidentes. Astruc sugeriu que esses eram os documentos originais utilizados por Moisés, e que o Gênesis como escrito por Moisés como narrativas paralelas feitas para serem lidas separadamente. De acordo com Astruc, um editor mais tarde teria combinado as colunas em uma única narrativa, criando as confusões e repetições observadas por Hobbes e Spinoza. 

Se o objetivo de Astruc era refutar os críticos da autoria mosaica do Genesis ou de todos os livros do Pentateuco, suas conseqüências não poderiam ter sido mais irônicas. As ferramentas adaptadas por Astruc para a crítica das fontes bíblicas foram desenvolvidas por estudiosos posteriores, a maioria deles alemães. De 1780 o teólogo protestante Johann Gottfried Eichhorn estendeu a análise de Astruc do Gênesis para todo o Pentateuco, e por volta de 1823, ele havia concluído que Moisés não tinha, em nenhuma parte, escrito qualquer uma delas. Em 1805 o teólogo alemão Wilhelm de Wette concluiu que o Deuteronômio tinha uma terceira fonte independente. Por volta de 1822, o estudioso Friedrich Bleek identificou o livro de Josué como sendo uma continuação do Pentateuco via Deuteronômio, enquanto outros identificaram sinais da fonte Deuteronomista nos livros de Juízes, Samuel e Reis. Em 1853 Hermann Hupfeld sugeriu que a fonte Eloísta era proveniente de duas fontes, e que por isso deveria ser dividido, isolando assim a fonte Sacerdotal; Hupfeld também enfatizou a importância do redator (ou editor final) na produção da Torá a partir das quatro fontes. Nem todo o Pentateuco foi atribuído a estas quatro fontes: várias seções menores foram identificadas, como o Código de Santidade, que está contido em Levítico 17 a 26.

Estudiosos também tentaram identificar a seqüência e as datas das quatro fontes, e propor que poderiam ter sido produzidas, e por quê De Wette concluído em 1805 que nenhum dos livros do Pentateuco foi composto antes do tempo de David, uma vez que a fonte Deuteronomista estava ligada com os sacerdotes do Templo em Jerusalém, durante o reinado de Josias, em 621 a.C. Eles sugeriam diversas tentativas para a composição na ordem PEJD, EJDP ou JEDP, e a questão estava longe de ser resolvida.

E é aí que entra o influente trabalho de Julius Wellhausen. Em 1876 Julius Wellhausen publicou uma obra chamada «Die Composition des Hexateuchs und der historischen Bücher des Alten Testaments» ("A Composição do Hexateuco e dos livros históricos do Antigo Testamento"), ou seja, o Pentateuco mais o livro de Josué, no qual ele partiu da hipótese de quatro fonte de origem do Pentateuco, o que foi seguido em 1878 por outro livro que ele publicou, «Prolegomena zur Geschichte Israels» ("Prolegômenos à História de Israel"), uma obra que traçou o desenvolvimento da religião dos antigos israelitas de uma forma inteiramente secular e histórica, não do ponto de vista sobrenatural e mitológico. E na verdade Wellhausen introduziu poucas novidades no esquema das quatro fontes, mas “peneirou” e combinou o trabalho de todo o século anterior em uma forma coerente, a teoria abrangente sobre as origens da Torá e do judaísmo de uma forma tão persuasiva, que suas teorias dominariam o debate acadêmico sobre o assunto durante os próximos cem anos.

Os critérios adotados por Wellhausen para distinguir as fontes eram aqueles que foram desenvolvidos por seus antecessores ao longo do século anterior: estilo (incluindo, mas não exclusivamente, a escolha do vocabulário); nomes divinos; parelhas e, ocasionalmente, tripletos. A fonte Javista (ou simplesmente J) foi identificada com um estilo de narrativa rica, a fonte Eloísta é um pouco menos eloquente, a língua do P era áspera e legalista. Itens de vocabulário, como os nomes de Deus, ou o uso do nome Horebe (E e D) ou Sinai (J e P) para a montanha de Deus, objetos rituais, como a Arca da Aliança, que é frequentemente mencionada em J, mas nunca em E, o estatuto dos juízes (que nunca é mencionado em P) e os Profetas (mencionados apenas em E e D), o meio de comunicação entre Deus e a humanidade (O Deus da fonte Javista encontra-se em sua própria pessoa com Adão e Abraão, o Deus da fonte Eloísta se comunica através de sonhos, e o deus da fonte Sacerdotal (ou P) apenas pode ser abordado através do sacerdócio ). Tudo isso e um pouco mais formaram o conjunto de ferramentas para discriminar entre as fontes e localizar os versos atribuindo à elas.

Agora chegamos à questão histórica. O ponto de partida de Wellhausen para datar as fontes é o evento descrito em 2 Reis 22:8-20: a "o rolo da Torá" (que pode ser traduzido como "instrução" ou "lei"), que é descoberto no Templo de Jerusalém pelo Sumo Sacerdote Hilquias, no décimo oitavo ano do rei Josias, que subiu ao trono aos oito anos de idade. O que é lido à Josias o motiva a embarcar em uma campanha de reforma religiosa, destruindo todos os altares, exceto no Templo, proibindo tudo, exceto o sacrifício no Templo, e insistindo na adoração exclusiva de Yahweh. No século 4 d.C. Jerônimo (o autor da Vulgata Latina) especulou que o livro encontrado poderia ter sido Deuteronômio, mas De Wette, em 1805, sugeriu que poderia ter sido apenas o código legalista em Deuteronômio 12-26 que Hilquias encontrou, e que ele poderia ter escrito por conta própria, sozinho, ou em colaboração com Josias. O historiador deuteronomista certamente tinha Josias em alta conta: 1 Reis 13 o nomeia como aquele que será enviado por Yahweh para exterminar os sacerdotes apóstatas de Betel, em uma profecia que teria sido feita 300 anos antes de seu nascimento.

Com a fonte D ancorada na história, Wellhausen começou a colocar as fontes restantes em torno dela. Ele aceitou a conclusão de Karl Heinrich Graf de que as fontes foram escritos na ordem JEDP. Este era contrário à opinião geral dos estudiosos da época, que viam P como a primeira das fontes , como o “guia oficial para o culto divino aprovado", e o argumento sustentado da Wellhausen para uma composição tardia de P foi a grande inovação do seu livro Prolegômenos. Wellhausen atribuiu a composição de J e E ao período da monarquia antiga, cerca de 950 a.C. para J e 850 a.C. para E, e considerou P como tendo sido composta no período imediatamente posterior à volta dos judeus do exílio persa, por volta de 500 a.C. Seu argumento para essas datas foi baseado no que foi visto em sua época como a evolução natural da prática religiosa: no período pré e no início da sociedade monárquica descrita em Gênesis, Juízes e Samuel, foram erguidos altares onde os Patriarcas ou Heróis, tais como o que Josué escolheu, qualquer um poderia oferecer o sacrifício, e porções eram oferecidas aos sacerdotes como o ofertante escolhesse; mas na antiga monarquia o sacrifício estava começando a ser centralizado e controlado pelo sacerdócio, enquanto os festivais pan-israelitas, como a Páscoa, eram instituídos para ligar o povo ao monarca, em uma celebração conjunta da história nacional. No período pós-exílico, o templo em Jerusalém foi firmemente estabelecido como o único santuário, e apenas os descendentes de Arão podiam oferecer sacrifícios, e os festivais estavam ligados ao calendário em vez de estarem atrelados às estações, e o cronograma de direitos sacerdotais era estritamente obrigatório.

As quatro fontes foram então combinadas por uma série de redatores (ou editores), primeiro J com E para formar um JE combinado, em seguida, JE com D para formar um texto JED e, finalmente, JED com P para formar JEDP, que é a Tora final. Retomando uma tradição acadêmica que remonta a Spinoza e Hobbes, Wellhausen considerou Esdras, o líder do pós-exílio, que restabeleceu a comunidade judaica em Jerusalém a mando do imperador persa Artaxerxes I em 458 a.C., como sendo o redator final.

Explicados os antecedentes, o surgimento e o desenvolvimento da Hipótese documentária, vamos analisar agora cada uma das fontes que a compõe, segundo a teoria. Tais fontes são a Javista (ou J), a Eloísta (ou E), a Sacerdotal (ou P) e finalmente pela fonte Deuteronomista (ou D)

A fonte Javista


A hipótese documentária atribui descrições antropomórficas de Yahweh, visitas pessoais de Yahweh, e uso do seu nome pessoal antes de Êxodo 3 à fonte Javista. É um mal-entendido que se tem da hipótese documentária de atribuir todo o uso do nome pessoal de Yahweh para a fonte Javista, dado o fato que o Deuteronomista, o Eloísta, a Sacerdotal e outros documentos originais contêm numerosos usos do nome Yahweh. Mas a fonte Javista é a única a usar o nome pessoal de Yahweh antes de Êxodo 3. Acredita-se que esta seja a fonte mais antiga, interessada nas narrativas, compondo a metade do Genesis e metade do Êxodo, além de fragmentos do livro de Números, J tem um interesse especial no território do Reino de Judá e de pessoas ligadas à sua história. J tem um estilo eloquente. Estudiosos estimam a data de composição de J como sendo 950 a.C., não muito tempo antes da divisão do Reino Unido de Israel no reino do norte de Israel e o reino do sul de Judá, em 922 a.C.

O Javista nos apresenta uma teologia da história, ao invés de teologia filosófica intemporal. O caráter de Yahweh é conhecido por suas ações. A imagem javista de Yahweh começa com a criação de seres humanos e a primitiva história da humanidade em geral (Gênesis 2-11). As contribuições do javista neste material não pretendem apresentar uma história completa, mas sim alguns episódios com particular importância para as gerações posteriores. Estes episódios explicam a mortalidade humana, a necessidade de trabalhar para viver, a existência de muitas línguas, a rivalidade entre irmãos, e a tentativa do homem de romper os limites de Deus. A família é muitas vezes vista em contextos teológicos, e a seqüência do pecado-castigo-graça aparece várias vezes. 

A imagem javista de uma teologia da história continua com o chamado de Abraão e a história subseqüente de Israel e seus antepassados. O javista apresenta a nação de Israel como o povo de Javé, que ele trouxe à existência, protegida, e que se estabelece na terra de Canaã em cumprimento de promessas feitas a Abraão, Isaac e Jacob. A fonte javista apresenta uma história de Israel, que também ilustra temas do pecado-castigo-graça, mas mais especialmente um que retrata Yahweh como um libertador poderoso e provedor das necessidades de seu povo. A fé única em Yahweh é a virtude fundamental. O javista também enfatiza o destino de Israel para ser uma grande nação, que irá governar sobre seus vizinhos e ter um rei da tribo de Judá. A teologia do javista se estende para além Israel, e inclui o aviso de que todas as nações serão abençoadas através de Abraão (ou abençoadas através de Abraão). Além de tudo disso, o relatório da destruição de Sodoma e Gomorra é atribuída ao javista.

A fonte Eloísta


O uso da palavra genérica para divindade “Elohim”, em vez do nome mais pessoal, Yahweh, antes de Êxodo 3, e descrições de Yahweh de natureza mais impessoal (por exemplo, falando através de sonhos, profetas, anjos e ao invés de aparências pessoais), indicam a fonte Eloísta, de acordo com a hipótese documentária. A narrativa do Eloísta não começa com uma descrição da criação da humanidade por Yahweh, mas com o aviso divino a Abraão, o antepassado de Israel. Pelo fato da fonte javista e da fonte eloísta usarem "Yahweh" para Deus depois de Êxodo 3, é mais difícil de discernir o eloísta do material de origem javista a partir desse ponto. A fonte E tem muitos paralelos com J, muitas vezes duplicando as narrativas. E compõe um terço dos Genesis e a metade do Êxodo, além de fragmentos de Números. A fonte E descreve um Deus humano como inicialmente sendo chamado de Elohim, e sendo chamado de Yahweh posteriormente ao incidente da sarça ardente, em que Elohim se revela como sendo Yahweh. E se concentra no Reino de Israel e sobre o sacerdócio de Siló, uma cidade no monte de Efraim e a capital religiosa de Israel no tempo dos Juízes, e tem um estilo moderadamente eloquente. Estudiosos sugerem que a fonte Eloísta foi composta cerca de 850 a.C. 

A teologia da Eloísta se concentra em quatro elementos principais: 1) A Liderança Profética, 2) o temor de Deus, 3) A Aliança, e 4) a Teologia da História. A liderança profética é enfatizada pela construção da narrativa nos quatro ancestrais (Abraão, Jacob, José e Moisés), que se apresentam como profetas que recebem revelações de Deus em visões e sonhos. O conceito de temor de Deus do Eloísta vai além do temor reverente, e é a raiz da obediência de Abraão para a ordem de matar seu filho. O Pacto é enfatizada pelo Eloísta em várias ocasiões, nomeadamente na cerimônia de aliança de Êxodo 24, no estabelecimento da tenda da congregação, e na rebelião de Israel no Sinai com a adoração do bezerro de ouro, que apresenta a visão pessimista do Eloísta sobre a propensão de Israel de violar sua aliança com Deus. A teologia Eloísta da história é focada sobre a nação de Israel, e é muito mais inclinado do que o Javista para se concentrar nos aspectos especificamente religiosos de oração, sacrifício e revelações proféticas. O objetivo da história de Israel é explicitamente religioso: ser "um reino de sacerdotes e uma nação santa".

A fonte Sacerdotal


A hipótese documentária descreve a fonte Sacerdotal como usando o título “Elohim” como o nome geral de Deus no período primitivo (Gênesis 1-11). El Shaddai é o primeiro nome especial para Deus e é revelado aos patriarcas, sendo reservado para aquela era. Javé é o nome pessoal de Deus, que se revela a Moisés, e que nunca sido colocada na boca de qualquer falante pela fonte Sacerdotal antes de Moisés. A fonte Sacerdotal retrata Deus / Yahweh como sendo o criador de todo o mundo, que ele declarou ser bom, e sobre o qual ele concedeu sua bênção. A humanidade é criada à imagem de Deus (ou como a imagem de Deus), o que implica o domínio sobre toda a terra. A fonte P inclui muitas listas (especialmente genealogias), datas, números e leis. Retratos de Deus visto como distante e impiedoso são atribuídas a P. A fonte P parcialmente duplica J e E, mas os seus detalhes alteram e salientam a importância do sacerdócio. P consiste cerca de um quinto do Gênesis (incluindo o seu famoso primeiro capítulo), partes substanciais do Êxodo e Números, e quase todo o Levítico. De acordo com Wellhausen, P tem um baixo nível de estilo literário. Estudiosos estimam sua composição como sendo entre 600 a.C. e 400 aC. 

A fonte Sacerdotal retrata Yahweh como sendo um deus que está interessado em ritual. O pacto da circuncisão, as leis dietéticas, e a ênfase em se construir um tabernáculo de acordo com um plano divinamente revelado, estão todos atribuídos à fonte sacerdotal. A presença de Yahweh e de suas bênçãos são descritos na fonte Sacerdotal como sendo não sendo intermediados pelo rei, mas sim pelo sumo sacerdote, mediando no lugar central de adoração.

A fonte Sacerdotal retrata uma estrutura formal em termos de espaço, tempo e estrutura social. O centro espacial do universo é o santuário, que é modelado pela primeira vez no tabernáculo, e mais tarde no templo modelado após o padrão revelado a Moisés. É neste local específico que Yahweh quis fazer-se presente ao seu povo. Yahweh providenciou a ordem temporal em torno de ordens progressivas de sábados: Sete dias, sete meses, sete anos, sete vezes sete anos. Em termos de estrutura social, a fonte Sacerdotal retrata Yahweh como garantindo a sua presença para as pessoas particulares "que sabem o seu nome." O sacerdócio, o sistema ritual, e a lei representam a ordem cósmica em uma vestimenta sacerdotal. 

A fonte Deuteronomista


Segundo o estudioso alemão Martin Noth, a fonte Deuteronomista foi escrita em meados do século 6 a.C., com o objetivo de abordar os contemporâneos no exílio babilônico para mostrar-lhes que "os seus sofrimentos foram conseqüências de séculos de declínio da fidelidade de Israel à Yahweh". A lealdade para com Yahweh era medida em termos de obediência ao código deuteronomista. Desde que Israel e Judá tinham deixado de seguir a lei, suas histórias terminaram em sua destruição completa, de acordo com o juízo divino previsto Deuteronômio. "Entretanto, se vocês não obedeceram à Yahweh, seu Deus, e não seguirem cuidadosamente todos os seus mandamentos e decretos que hoje dou à vocês, todas essas maldições cairão sobre vocês, e os atingirão", segundo Deuteronômio 28:15. A fonte D no Pentateuco é restrita ao livro de Deuteronômio, embora continue nos livros posteriores de Josué, Juízes e Reis. Ele toma a forma de uma série de sermões sobre a Lei, bem como recapitula a narrativa do Êxodo e Números. Seu termo distinto para Deus é YHWH Eloheinu, tradicionalmente traduzido em português como "O Senhor nosso Deus." Outros estudiosos estimam que essa fonte pode ter sido composta precisamente entre 650-621 a.C., o que teria sido antes do exílio na Babilônia (587-539 a.C.)

De acordo com outro estudioso, Gerhard von Rad, a visão de Martin Noth sobre o propósito do Deuteronomista enfatizou o tema do julgamento, mas perdeu o tema da graça de Yahweh na história deuteronomista. O Deuteronomista relatou repetidas ocorrências de palavra de Yahweh no trabalho em descrever oráculos anteriormente relatados dos profetas de Yahweh, sendo precisamente cumpridas nos eventos descritos mais adiante. Por um lado, a destruição de Israel e Judá foi retratada como estando de acordo com o pronunciamento profético da desgraça, em retaliação pela desobediência. Por outro lado, a destruição final foi contida pela promessa de Yahweh à David, que é encontrada no oráculo de Natã em 2 Samuel 7 e reiterado ao longo de 1-2 Reis.

Outro estudioso, H.W. Wolff ,descreve o propósito do Deuteronomista no esquema de apostasia, castigo, arrependimento e libertação comum na história deuteronomista. De acordo com Wolff, a intenção do Deuteronomista era mostrar os exilados que estavam na segunda fase deste esquema e, portanto, precisavam "clamar à Yahweh em arrependimento". De acordo com o padrão de relações anteriores de Yahweh com Israel, o imperativo para os exilados era simplesmente voltar para Deus.


De um modo geral, a Hipotese Documentária pode ser definida neste seguinte esquema:





Esquema básico da Hipótese documentária:

As fontes mais antigas seriam J e E, que teriam sido combinadas para formar JE.

P* Inclui boa parte do Levítico

D† Inclui boa parte do Deuteronômio

D‡ "Historia Deuteronômica": Os livros de Josué, Juízes, 1 & 2 Samuel, 1 & 2 Reis.

R Redator final, ou Editor, que possivelmente é Esdras.


Criticas à Hipotese Documentária


Durante a maior parte do século 20, a hipótese de Wellhausen formou o quadro em que foram discutidas as origens do Pentateuco, e até mesmo o Vaticano chegou a incentivar que a "luz derivada de pesquisas recentes" não poderia ser negligenciada por estudiosos católicos, instando-os especialmente para prestar atenção para "as fontes escritas ou orais" e "as formas de expressão" usada pelo "escritor sagrado". Algumas modificações importantes foram introduzidas, nomeadamente por Albrecht Alt e Martin Noth, que defenderam a transmissão oral de crenças antigas centrais : a saída do Egito, a conquista da Terra Prometida, convênios, revelação no Sinai/Horeb, etc. Ao mesmo tempo, o trabalho da escola de arqueologia bíblica americana sob William F. Albright parecia confirmar que, mesmo se o Gênesis e Êxodo foram apenas finalizado em sua forma final no primeiro milênio a.C., o foram ainda firmemente enraizados na realidade material do segundo milênio antes de Cristo. O efeito global de tais refinamentos era ajudar a uma maior aceitação da hipótese básica por crentes tranqüilizados de que, mesmo se a forma final do Pentateuco era tardia e não devido ao próprio Moisés, era possível recuperar uma imagem credível do período de Moisés e da idade patriarcal. Assim, embora contestada por estudiosos como Umberto Cassuto, a oposição à hipótese documentária gradualmente diminuiu, e até os anos 1970 foi quase universalmente aceita. 

Isso mudou quando o estudioso Roger N. Whybray, em 1987, reapresentou argumentos quase idênticos, com conseqüências muito maiores. Nesta época haviam sido propostos três modelos distintos para a composição do Pentateuco: o Documentário (a Torá como uma compilação de livros originalmente separados, mas completos), o Suplementar (um único livro original, suplementado com adições e/ou exclusões posteriores), e a Fragmentária (muitas obras fragmentárias e edições). Whybray argumentou que dos três modelos possíveis o Documentário era o mais difícil de se demonstrar,e que os modelos Complementares e Fragmentários que haviam sido propostos se baseavam em processos relativamente simples, lógicos e poderiam explicar a irregularidade do texto final, o processo previsto pela Hipotese Documentária é complexo e extremamente específico em suas suposições sobre o antigo Israel e o desenvolvimento de sua religião. Whybray passou a afirmar que estes pressupostos eram ilógicos e contraditórios, e não tinham poder de oferecer uma explicação verdadeira. Por que, por exemplo, deveriam os autores das fontes distintas evitar a duplicação, enquanto o redator final a aceitaria? Assim, a Hipótese Documentária só poderia ser mantida na hipótese de que, enquanto a consistência era a marca registrada dos vários fontes e documentos, inconsistência era a marca dos redatores!

Desde Whybray tem havido uma proliferação de teorias e modelos sobre as origens da Torá, muitos deles radicalmente diferentes do modelo de Wellhausen. Assim, para citar algumas das principais figuras das últimas décadas do século 20, o erudito suíço H. H. Schmid quase completamente eliminou J, permitindo que apenas um redator deuteronômico tardio. Com a idéia de fontes identificáveis ​​desaparecendo, a questão da datação histórica também muda os seus termos. Além disso, alguns estudiosos têm abandonado a Hipótese Documentária totalmente em favor de modelos alternativos, que vêem o Pentateuco como o produto de um único autor, ou como o ponto final de um processo de criação por toda a comunidade. Rolf Rendtorff e Erhard Blum veem o Pentateuco como sendo o desenvolvimento da acumulação gradual de pequenas unidades em obras cada vez maiores, um processo que remove tanto J e E, e, significativamente, implica de uma vez em um modelo documentário fragmentário das origens do Antigo Testamento; e erudito canadense John Van Seters, utilizando um modelo diferente, prevê um processo contínuo de suplementação, em que mais autores tardios modificam composições anteriores, e mudam o foco das narrativas. A proposta contemporânea mais radical veio de Thomas L. Thompson, que sugere que a redação final da Torá ocorreu tardiamente, na período inicial do domínio dos Hasmoneus. Essa teoria radical, que é conhecida como Minimalismo bíblico, é uma que tem menos aprovação por parte dos estudiosos.

A hipótese documentária ainda tem muitos adeptos, principalmente nos Estados Unidos, onde William H. Propp foi concluída a tradução de dois volumes e comentários sobre Êxodo para a «Anchor Bible Series» a partir de um quadro da Hipótese Documentária, e Antony F. Campbell e Mark A. O'Brien terem publicado o livro "Fontes do Pentateuco", apresentando a Torá classificadas em fontes contínuas, seguindo as divisões de Martin Noth. Os livros do estudioso Richard Elliott Friedman «Who Wrote the Bible» (1987) e «The Bible with Sources Revealed»(2003) são, em sua essência, uma resposta estendida para Whybray, explicando, em termos baseados na história do antigo Israel, como os redatores poderiam ter tolerado a incoerência, a contradição e a repetição, se isso de fato tivesse forçadoeles pelo contexto histórico em que trabalhavam. A clássica divisão de quatro fontes de Friedman se diferencia da de Wellhausen ao aceitar a datação de Yehezkel Kaufmann de P para o reinado de Ezequias. Isso em si não é uma pequena modificação de Wellhausen, para quem a datação tardia da P foi essencial para o seu modelo histórico do desenvolvimento da religião israelita. Friedman argumentou que J apareceu um pouco antes de 722 a.C., seguido por E, e um combinado JE surgiu logo depois disso. P foi escrito como uma refutação da JE (cerca de 715-687 a.C.), e D foi o último a aparecer, no tempo de Josias (cerca de 622 a.C.), antes do Redator, a quem Friedman identifica como sendo Esdras, reuniu na Torá final.

Embora a terminologia e insights da Hipótese Documentária, nomeadamente a sua alegação de que o Pentateuco é obra de muitas “mãos” e muitos séculos, e que sua forma final pertence à metade do primeiro milênio a.C., continue a modelar o debate acadêmico sobre as origens da o Pentateuco, ela em si já não domina esse debate, como fez durante os dois primeiros terços do século 20. "As verdades consagradas em apresentações mais antigas sobre o tema das origens do Pentateuco desapareceram, e em seu lugar os acadêmicos são confrontados por teorias concorrentes que são desanimadoramente numerosas, extremamente complexas, e muitas vezes expressas em um estilo expositivo que não é para os fracos de coração", citando uma declaração de John Van Seter.

Uma boa introdução à teoria de Julius Wellhausen encontra-se em sua obra "Prolegomenos à História de Israel)
http://www.sacred-texts.com/bib/cv/phai/index.htm


Referencias bibliográficas:

The Bible with Sources Revealed, Richard E. Friedman, Harper San Francisco (2003)
Este livro é muito interessante, e traz o Pentateuco de forma fracionada, delimitando as fontes J,E, P e D através de cores. Infelizmente só está disponível em inglês, ainda não há versões em português.

Outras Referências Bibliográficas:

A Brief Introduction to the Old Testament, M. D. Coogan (2009). Oxford University Press
The Pentateuch: a story of beginnings, Paula Gooder (2000). T
& T Clark
"The Pentateuch", J. Van Seters, (1998) Bloomsbury T
& T Clark
Introdução ao Antigo Testamento, Vol. 1, E. Sellin; G. Fohrer, (1980), Ed. Paulus

Leia também:



18 comentários:

  1. Eu também escrevi um artigo sobre a Hipótese Documentária, porém, abordando "o outro lado da moeda". Existem vários questionamentos à hipóteses devido as divergências que ela apresenta e, hoje, ela já não é tão amplamente aceita nos meios acadêmicos.

    http://blogdeusemfoco.blogspot.com.br/2014/09/a-hipotese-documentaria.html

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Se eu fosse um delegado de polícia, entrasse em qualquer igreja e um padre ou pastor estivesse lendo o Antigo Testamento em voz alta na presença de alguma criança, eu dava voz de prisão na hora. Sobretudo o Levítico e o Deuteronômio. Sem fiança.

    ResponderExcluir
  3. Se eu fosse um delegado de polícia, entrasse em qualquer igreja e um padre ou pastor estivesse lendo o Antigo Testamento em voz alta na presença de alguma criança, eu dava voz de prisão na hora. Sobretudo o Levítico e o Deuteronômio. Sem fiança.

    ResponderExcluir
  4. Olá, Lucas, gostei de seu trabalho. Estudei teologia na Metodista. Na época, nos final dos anos 70, a hipótese documentária, baseada nos estudos de Gerhard Von Rad, "Teologia do Antigo Testamento, em dois volumes, publicados pela ASTE, era a grande motivação. Parabéns pela contribuição, sintética e clara. Abraços, com apreço, Rubens

    ResponderExcluir
  5. muito obrigada pela contribuição, sou estudante de teologia da Ucdb via ead e estou estudando sobre a teoria das fontes.

    ResponderExcluir
  6. Boa contribuição deste blog com este artigo sobre a teoria da Hipótese Documentária. Mas, de fato, é impossível não pensar no que o apóstolo Paulo escreveu aos coríntios: Onde está o sábio? Onde está o erudito? Onde está o questionador desta era? Acaso não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo? (1 Cor 1:20). A citação de John Van Seter, no final do texto está certa, pois essas teorias não são para os fracos de coração. Ainda bem que a fraqueza de Deus é mais forte que a força do homem, e a loucura de Deus é mais sábia que a sabedoria do homem (1 Cor 1:25). Ainda bem, ainda bem...


    de e a fraqueza de Deus é mais forte que a força do homem.
    1 Coríntios 1:25

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo foi um falso apóstolo, isso foi dito pelos próprios apóstolos de jerusalém, então ele não teve respaldo pra falar nada e nem interpretar nada, sobre quem ele nem mesmo conheceu, suas palavras são palavras vãs pretendendo-se inspiradas por Deus e ele também foi falso profeta. Então quem o cita não tem respaldo algum!

      Excluir
    2. Sobre o movimento messianico que ocorreu em na Palestina/Judeia que resultou no surgimento do Cristianismo eu recomendaria os livros de Robert Eisemann, The Dead Sea Scrolls and the Roots of Christianity and Islam, James the Brother of Jesus: the key to Unloking the Secrets of Early Christianity and the Dead Sea Scrools e The New Testament Code. Eisemann defende a tese que Paulo, e o Sallus que aparece nos livros de Josephus Antiguidades e Guerras Judia, um agente dos Herodes e James, o Tiago em portugues, era o irmao de Cristo, qu era o principal lider religioso judeu ortodoxo, adversario ferrenho dos romanos, cuja morte por Sallus, Paulo, resultou na Guerra contra os Romanos que resultou na destruicao de Jerusalem no ano 70. Segundo Eisemann, o livro Atos do Novo Testamento, descreve o assasinto de Tiago, numa maneira distorcida na passagem que desreve a perseguicao e apedrejamento de Estevao sob o comando de Saulos

      Excluir
    3. Segundo Robert Eisemann autor do livro James the Brother of Jusus e Jerusalem Code, Paulo e o Sallus que aparece nos Livros Antiguidades e Guerras dos Judeus do historiador judeu que traindo seu povo, juntou-se ao Rommanos, Flavius Josephus. Segundo Josephus Sallus era um agente da Casa de Herodes foi inimigo de James, o Tiago, um dos irmaos de Jesus, que se tornou o principal lider religioso judeu ortodoxo e adversario ferrenho dos romanos. Sallus descreve o assasinato de Tiago por Sallus,qu resultou na Guerra dos Judeus ontra o Romanos e na destruicso de Jerusalem no ano 70 Nova Era. Eisemann diz que esse assassinsto de Tiago por Sallus, aparece no Livro de Atos, no Novo Testmento, como a perseguicao e apedrejamento der Estevao sob o comando de Sallus. Houve assim um movimento messianico na Judeia/Palestina que produziu os Manuscritos do Mar Morto, do qual Tigo era o principal lider, movimento esse que combatia a presenca dos romanos na Judeia que se espalhava por toda Palestina e a Transjordania que eventulmente 600 anos mais tarde forneceu as bases pra o surgimento da religiao mulssumana. Contra essa corrente messianica, mas utilizndo temas produzidos por ela com misturas de elementos da mitologia grego influenciada pela mitologia egipcia, Paulo criou o Cristianismo, criando a figura do deus que nasce e crucificado e se ressucita, o Jesus Cristo. Em criando esse Jesus Sallus, agora Paulo teria utilizado o nome do Jesus, irmao de Tiago, e outros lideres mesianicos chmados Jesu que foram crufificado pelos romano.

      Excluir
    4. Muito interessante essa tese de R. Eisemann. E de fato as cartas de Paulo, na medida e que são autênticas, representam o extrato mais antigo do Novo Testamento. Foram escritas até o ano de 55 d.C. Por outro lado, o evangelho de Marcos, que é o mais antigo, foi escrito no período de 66-70. Parece evidente que os autores dos evangelhos foram inspirados pela teologia paulina.

      Excluir
  7. Porque você não citou os achados arqueológicos conhecidos como os tabletes de Ebla?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porque os paralelos entre Ebla e a bíblia não são mais considerados como verdadeiros. No começo do processo do deciframento das tábulas de Ebla, foram feitas várias alegações a respeito de possíveis conexões entre Ela e personagens e eventos da bíblia, tais como o deus Yahweh, os patriarcas, Sodoma e Gomorra entre outros personagens. Mas tudo isso foi feito com base em especulações primárias e emotivas, e tais comparações são hoje desacreditadas. No estudos em Ebla, o foco se mudou das comparações com a bíblia para o estudo da própria civilização de Ebla. Cito, para estudo deste assunto, o excelente livro “From Man to God”, de William Harris.

      Excluir
    2. Gostaria de saber se foram traduzidos para oportugues os livros dos autores da Escola Minimalista, Thomas L Thompson, Mysthic Past, Niels P Lemche Early Israel e Ancient Israel, Dvid Phillip In Search of Ancient Israel e Giovanni Garbini Historia Ideologia

      Excluir
    3. Não, por enquanto nenhum deles até o momento foi traduzido. O Minimalismo bíblico da Escola de Copenhague não tem livros traduzidos aqui no Brasil.

      Excluir